Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019.
Aniversário da Casa da Moeda do Brasil.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Varejo

Edição impressa de 08/02/2019. Alterada em 11/02 às 11h41min

Lucro das Lojas Renner chega a R$ 1 bilhão em 2018

Internacionalização da rede terá novas lojas no Uruguai e Argentina

Internacionalização da rede terá novas lojas no Uruguai e Argentina


/MARCELO CAMPI/DIVULGAÇÃO/JC
Adriana Lampert
O bom ritmo de vendas da coleção primavera-verão da rede varejista Lojas Renner garantiu que a empresa recuperasse receita a partir de agosto, após enfrentar um primeiro semestre desafiador em 2018. No quarto trimestre, as vendas de mercadorias cresceram 16,8% e as vendas em mesmas lojas representaram um aumento de 12% em relação ao mesmo período de 2017. No ano, o faturamento do grupo inflou 13,4%, alcançando R$ 7,5 bilhões.
"O lucro líquido de 2018 superou a marca de R$ 1 bilhão (expandindo em 39%) - atingindo um resultado histórico!", comemora o diretor administrativo-financeiro e de Relações com Investidores da Companhia, Laurence Gomes. Ele destaca que a performance do segundo semestre ocorreu em um momento em que a varejista encerrou um ciclo de sete anos, se consolidando como uma empresa de fast retealer (especializada no desenvolvimento rápido de coleções, para serem lançadas mais próximas e em maior número dentro da mesma estação, garantindo mais variedade e "frescor" dos temas).
Gomes afirma que este foi um ciclo de "mudanças significativas" nos processos internos, focados em tendências de moda, coleções mais fragmentadas e melhorias nos ambientes de lojas, "tornando a experiência dos consumidores mais fácil e agradável". Desde 2012, a companhia investiu também em uma logística mais ágil e em centros de serviços compartilhados, além da reestruturação de unidades. "Terminamos este ciclo em um ano importante, de muita resiliência", avalia o gestor. Em dezembro de 2018, o endividamento líquido da companhia foi 23,4% - inferior ao apresentado em 2017, como consequência do aumento da geração de caixa dos últimos 12 meses.
O diretor administrativo-financeiro e de Relações com Investidores da Lojas Renner destaca que no primeiro semestre de 2018 a empresa sentiu a necessidade de ajustar as despesas ao cenário da economia brasileira, que foi influenciada pela greve dos caminhoneiros e depois pela Copa do Mundo. "Fomos ágeis e eficientes neste sentido, e quando as vendas melhoraram nós mantivemos o mesmo cuidado em relação aos nossos gastos." Ao todo, a companhia investiu R$ 610 milhões em 2018, incluindo ainda implementação de 55 novas unidades e reforma de lojas já consolidadas. "Encerramos o ano com 21 mil colaboradores", resume Gomes.
Desde janeiro, a empresa já trabalha com o novo ciclo de processos de sete anos, desta vez focado na parte digital, mirando a "visão única do cliente", e investindo em ampliação da inteligência de dados e na transformação para o modelo multicanal (com fusão do atendimento de lojas físicas com o do e-commerce). "Esta é uma grande tendência do varejo de moda, de unir conveniência e experiência. Em 2018 começamos a aprimorar processos, adicionando tecnologia no desenvolvimento das coleções, especializando as equipes de designers de produtos e reforçando a qualificação do nosso time de colaboradores."
A rede varejista - que tem lojas em todos os estados brasileiros - conta ainda com sete operações no Uruguai e planeja abrir as portas da oitava no país ainda este ano. Também estão previstas inaugurações de três lojas na Argentina (segundo maior mercado da América Latina), sendo que a primeira unidade começa a operar no início do segundo semestre. "A experiência no Uruguai está sendo muito positiva - a entrada naquele país foi um teste para modelo de negócios da Renner fora do Brasil", comenta Gomes. Segundo ele, os colaboradores das lojas dos países vizinhos são todos locais (treinados por equipes brasileiras), com exceção de alguns entre os cargos de executivos. Em solo nacional, a rede tem planos de investir R$ 699 milhões com abertura de 22 Lojas Renner, nove Camicado, cinco Ashua e 10 YouCom. Atualmente, a rede conta com 354 Lojas Renner, 108 Camicado, 94 YouCom e três Ashua.
JC
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Sílvio Aloysio Rockenbach 08/02/2019 09h44min
Meu comentário é de 'economia interna', como dizia o saudoso Rudy Armin Petry, do Grêmio: Vibro com o excelente nível técnico e de conteúdo do JC. Só não entendo como tanto conteúdo é exposto em textos visualmente tão 'sumidos', que dificultam a leitura, que deveria se prazerosa, mas está penosa, pelo menos para quem não possui mais olhos de lince. Já ajudei a um jornal eletrônico de Santa Rosa, RS, a passar por total metamorfose com a mesma observação. Espero que talvez um simples toque de regulagem ajude também o JC a atingir o mesmo nível de legibilidade. Obrigado pela atenção. Sílvio Aloysio Rockenbach - Grupo de Mídia BrasilAlemanha - Jornal do Comércio (https://www.jornaldocomercio.com/_conteudo/geral/2019/02/669057-do-mirante-do-cristal-um-guaiba-que-ninguem-pode-ver.html?utm_campaign=Newsletter+JC&utm_content=Do+Mirante+do+Cristal%2C+um+Gua%C3%ADba+que+ningu%C3%A9m+pode+ver+-+Jornal+do+Com%C3%A9rcio+%283%29&utm_medium=email&utm_source=EmailMarketing&utm_term=Jornal+do+Com%C3%A9rcio)