Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 05 de fevereiro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

comércio exterior

Alterada em 05/02 às 22h42min

Brasil quer compensações pela redução do comércio de aço com União Europeia

Estadão Conteúdo
O governo brasileiro dialoga com a União Europeia em busca de medidas que compensem os efeitos negativos das salvaguardas adotadas pelo bloco europeu no último dia 1º sobre o comércio de produtos de aço. Em nota conjunta, o Itamaraty e o Ministério da Economia informam que o governo brasileiro acompanha as discussões sobre a medida desde o início, "tendo manifestado diversas vezes sua posição contrária à aplicação".
A União Europeia passou a aplicar uma sobretaxa de 25% sobre produtos de aço importados que excederem as cotas fixadas pelo bloco. Essa medida, que vinha sendo aplicada em caráter provisório desde junho do ano passado, passou agora a ser definitiva, por um prazo de três anos.
"O governo brasileiro entende que as circunstâncias previstas no Acordo de Salvaguardas da OMC (Organização Mundial do Comércio) para o oferecimento de compensações se aplicam e, nesse sentido, continuará a buscar junto à União Europeia as compensações adequadas para equilibrar os efeitos adversos das salvaguardas sobre a corrente de comércio", diz a nota.
A União Europeia limitou o ingresso de aço importado porque constatou uma elevação das compras desses produtos. Foi uma forma de proteger a indústria europeia do "surto" de compra de aço importado que se verificou depois que os Estados Unidos reduziram suas importações do produto.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia