Porto Alegre, sábado, 01 de agosto de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 01 de agosto de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Varejo

- Publicada em 23h36min, 05/02/2019.

Atacarejo cresce 12,8% em 2018, mostra pesquisa

Melhora na renda das famílias deve impulsionar o desempenho das redes de vizinhança, avalia a Nielsen

Melhora na renda das famílias deve impulsionar o desempenho das redes de vizinhança, avalia a Nielsen


/LUIZA PRADO/JC

O setor de varejo de alimentos viu diminuir em 6,4% a quantidade de mercadorias vendidas em lojas no formato hipermercado em 2018, ao mesmo tempo em que o "atacarejo" cresceu 12,8%, de acordo com dados da Nielsen. A empresa mede o número de itens vendidos em categorias de produto como alimentos, higiene e limpeza em vários tipos de loja.

O setor de varejo de alimentos viu diminuir em 6,4% a quantidade de mercadorias vendidas em lojas no formato hipermercado em 2018, ao mesmo tempo em que o "atacarejo" cresceu 12,8%, de acordo com dados da Nielsen. A empresa mede o número de itens vendidos em categorias de produto como alimentos, higiene e limpeza em vários tipos de loja.

Embora o setor de supermercados como um todo tenha comemorado um crescimento de receita em 2018, com a Associação Brasileira de Supermercados (Abras) reportando aumento real de 2,07% no faturamento, os números da Nielsen sinalizam que a distribuição das vendas foi bastante diferente entre os diversos tipos de loja. O formato de "atacarejo" segue ganhando espaço. Essas lojas que conquistaram a preferência dos consumidores no ápice da crise econômica são as que mais crescem em volume de vendas, de acordo com a Nielsen.

"Ainda vemos uma continuidade dos planos das empresas de abertura de novas lojas de 'atacarejo'", comenta o gerente da Nielsen, Daniel Souza. Ele acrescenta que o comportamento que os consumidores adquiriram durante a crise tende a se manter.

A expectativa é que outros formatos de loja que têm maior apelo para a conveniência ganhem espaço. As redes de vizinhança ainda caíram em vendas em 2018, com recuo de 2% no volume. Souza espera que o formato acelere com uma melhora na disponibilidade de renda das famílias.

Para o presidente da Abras, João Sanzovo Neto, as companhias do setor vêm renovando seus formatos de loja continuamente, ajustando-os às preferências dos consumidores. Até mesmo os hipermercados - o tipo de loja que mais perdeu fatia de mercado para o "atacarejo" - têm espaço para se recuperar no País com a melhora da economia. "Já vemos empresas atualizando os hipermercados, reduzindo os espaços de venda e transformando a área excedente para uso em outros negócios", comentou. Ele ainda considera que, com o tempo, o crescimento do "atacarejo" tende a se estabilizar.

O custo da cesta de produtos Abrasmercado, com 35 itens de largo uso, subiu 0,92% em dezembro, passando de R$ 461,48 para R$ 465,71. De janeiro a dezembro, o custo da cesta aumentou 3,72%.

Os produtos cujo preço mais caiu foram farinha de mandioca (-7,18%), massa sêmola espaguete (-5,93%), desinfetante (-4,42%) e xampu (-4,20%). Os que mais subiram no período foram cebola (24,41%), batata (14,30%), feijão (8,54%) e carne traseiro (3,55%).

Confiança dos supermercadistas é a maior desde 2014

Empresários do setor de supermercados estão mais confiantes com as perspectivas para os negócios, segundo indicador da Associação Brasileira de Supermercados (Abras) e da GfK. Numa escala de 0 a 100, o Índice de Confiança chegou a 61,5, superando o patamar dos últimos doze meses, período ao longo do qual o indicador oscilou entre 47 e 57 pontos. É o maior nível desde o início das medições, em 2014.
Segundo o presidente da Abras, João Sanzovo Neto, essa melhora de confiança já começa a refletir nos planos de investimento das redes varejistas. Ele considera que os empresários estão "tirando da gaveta" os projetos de expansão que ficaram parados na crise. A entidade, no entanto, não tem um levantamento sobre abertura de novas lojas no ano.
Sanzovo aponta ainda que a manutenção da confiança dos empresários vai depender da evolução no Congresso dos projetos de reforma, em especial a da Previdência. Ele destacou as expectativas para este ano estão melhores, principalmente após a definição do novo governo.
"Estamos otimistas e esperançosos de que 2019 será melhor que o ano de 2018. As projeções do mercado financeiro estão positivas, com juros e inflação controlados. A confiança dos empresários segue em alta, como vimos na nossa última pesquisa e, diante desse cenário, projetamos um crescimento em torno de 30% nas vendas deste ano", ressaltou o presidente da Abras.
Comentários CORRIGIR TEXTO