Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 31 de janeiro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Agronegócios

Edição impressa de 01/02/2019. Alterada em 31/01 às 22h41min

Milho mostra boa produtividade no Estado

Mais de 23% da produção do cereal já está colhida, informa Emater

Mais de 23% da produção do cereal já está colhida, informa Emater


/KARINE VIANA/ARQUIVO PALÁCIO PIRATINI/JC
Com 23% das lavouras colhidas, o milho repete mais um ano de boa produtividade, incluindo as lavouras de sequeiro e irrigadas. A maior parte da cultura está nas fases de enchimento de grãos (32%) e maduras e por colher (18%). De acordo com o Informativo Conjuntural divulgado pela Emater nesta quinta-feira, o grão apresenta boa qualidade.
"À medida que os grãos atingem a umidade adequada, apresentam bons rendimentos", destaca o diretor técnico da Emater, Lino Moura, ao citar a produtividade média de 14.800 kg/ha apresentada pela lavoura de milho irrigada com pivô central na Fazenda AJ Moreno, em Santo Ângelo, que sediou, no dia 25, a Abertura Oficial da Colheita do Milho no Rio Grande do Sul.
A semeadura de milho do segundo plantio (safrinha) teve seu ritmo acelerado, tendo em vista a melhoria das condições do tempo e a possibilidade de realização simultânea das práticas de colheita e semeadura, podendo ser finalizadas nas próximas semanas. As primeiras áreas implantadas desse segundo cultivo já estão recebendo adubação nitrogenada em cobertura e aplicação de inseticidas para controle de pragas.
Beneficiada pelo clima favorável dos últimos dias, a cultura da soja obteve excelente desenvolvimento. Com o predomínio de sol e a adequada umidade do solo, as plantas se desenvolveram bem, apresentando boa coloração. É satisfatório o número de vagens nos estádios iniciais de desenvolvimento. Atualmente, 38% das lavouras de soja estão em enchimento de grãos, 42% em floração e 20% em desenvolvimento vegetativo.
Os produtores de soja aproveitaram o clima favorável para realizar as aplicações de fungicidas, dentre outros manejos, para controle preventivo da ferrugem asiática que tem prognóstico de alta pressão de infestação nesta safra. Na Região Noroeste do Estado, a condição de sanidade da cultura é satisfatória, com pouca ocorrência de ferrugem.
O feijão 1ª safra está em colheita, com 60% já colhido, e produtividades de referência inicial de 1.456 quilos por hectare. Outros 10% das lavouras estão maduras e por colher, 9% em enchimento de grãos, 13% em floração e 8% em desenvolvimento vegetativo. Com o grande volume de chuvas nas duas últimas semanas, a cultura foi prejudicada em áreas pontuais, principalmente quanto à qualidade dos grãos na colheita. No geral, as condições foram favoráveis, mantendo bom stand de lavoura em quase todo Estado. A maturação atual vem conferindo um produto final de excelente qualidade.
Nesta semana, houve evolução da semeadura da segunda safra de feijão no Estado. As lavouras se encontram com boa germinação e emergência por conta das condições climáticas favoráveis (boa umidade do solo e calor). A cultura vem sendo beneficiada pelas chuvas deste janeiro. As lavouras estão com boa população de plantas e desenvolvimento vegetativo muito bom, sem presença de pragas e doenças.
 

Produtores ainda contabilizam prejuízos nas plantações de arroz devido às chuvas

A lavoura orizícola no Estado encontra-se nas fases majoritárias de desenvolvimento vegetativo, seguida de floração, com 76%, e em desenvolvimento vegetativo com 41%. As fases de maturação já chegam aos 24%. No geral, de acordo com a Emater, as lavouras sofreram com a falta de luminosidade durante as chuvas; porém com a volta da normalidade climática, seguem as atividades de manejo, irrigação, aplicação de fertilizantes, defensivos e as de reconstrução de taipas, bueiros e estradas nas áreas atingidas.

As regiões que mais tiveram problemas com as condições meteorológicas nas últimas semanas foram a Central, Campanha e Fronteira-Oeste. Nessa última, alguns produtores de arroz estão acionando os seguros para realização de laudos de prejuízos a fim de cobertura de seguro ou Proagro, sendo que a previsão é de perdas de 100% nas áreas que ficaram mais de sete dias alagadas. Em Manoel Viana, foram alagados 1.630 hectares.

Há expectativa de queda de produção em lavouras atingidas pelos grandes volumes de chuvas e pelo baixo índice de insolação ocorridos em parte do Rio Grande do Sul. Essa diminuição de expectativa em relação ao rendimento de lavoura ocorre em muitas áreas das principais regiões produtoras. Acrescentam-se ainda as perdas localizadas em áreas por inundação e acamamento das plantas; tal circunstância, aliada aos baixos estoques do início da colheita, poderá ocasionar tendência de alta no preço do produto, o que poderá compensar, em parte, a queda de produtividade nessas áreas atingidas e os altos custos de produção desta safra.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia