Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 28 de janeiro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado financeiro

28/01/2019 - 11h27min. Alterada em 28/01 às 16h00min

Ações da Vale despencam após tragédia em Brumadinho

É o primeiro pregão após a tragédia, que ocorreu na sexta-feira (25) com o rompimento de barragem

É o primeiro pregão após a tragédia, que ocorreu na sexta-feira (25) com o rompimento de barragem


Mauro Pimentel/AFP/JC
Folhapress
Atualizada às 15h54min 
As ações da Vale mantêm a queda na bolsa de valores de São Paulo, situação que marca as negociações nesta segunda-feira (28). Por volta de 15h55min, a ação mais negociada, a VALE3, caía 24,2%, reflexo do rompimento da barragem da empresa em Brumadinho, região metropolitana de Belo Horizonte. O papel é cotado a R$ 42,58.   
Pela manhã, a VALE3, teve queda em torno de 17%. Com o desempenho, os papéis da mineradora puxam para baixo o Ibovespa, que caía 2,3% a 95.386 pontos.  
É o primeiro pregão após a tragédia, que ocorreu na sexta-feira (25) à tarde, quando a Bolsa brasileira estava fechada pelo aniversário da cidade de São Paulo. Naquela tarde, os recibos de ações da Vale encerraram em queda de 8%.
Analistas consideram que o impacto do acidente sobre a produção da empresa será menor que os dados à imagem da mineradora. Até o momento, 60 pessoas morreram e mais de 200 estão desaparecidas. Além disso, R$ 11,8 bilhões da Vale foram bloqueados pela Justiça para cobrir danos. A companhia sofreu multa de R$ 250 milhões pelo Ibama e em R$ 99,139 milhões pelo governo de Minas Gerais.
A Vale divulgou ainda a decisão do Conselho de Administração de suspender o pagamento de dividendos e juros sobre capital próprio, programa de recompra de ações e também a remuneração variável de executivos.
Segundo a XP Investimentos, a mina Feijão, parte do complexo Paraopeba representa de 1,5 e 2,5% da produção de minério da Vale. Mesmo que uma parte maior da operação fique parada temporariamente, o impacto neste aspecto deve ser limitado. Todo o sistema produz 7% do minério da Vale, segundo dados divulgados pela companhia no terceiro trimestre.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia