Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 23 de janeiro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Infraestrutura

Edição impressa de 24/01/2019. Alterada em 23/01 às 01h00min

Dragagem do canal no porto do Rio Grande é retomada em dois setores

Patrícia Comunello
Depois de mais de um mês suspensa, a dragagem no canal de acesso ao porto do Rio Grande retornou na Zona Sul do Rio Grande do Sul ontem. A retomada foi determinada pela Justiça Federal de Rio Grande que havia concedido liminar, pedida em ação civil pública do Ministério Público Federal (MPF), suspendendo os trabalhos, um pouco antes do fim de dezembro passado. A obra recomeçou em apenas dois setores 1A e 1B, na saída do canal de acesso ao porto. É o trecho mais afastado dos Molhes da Barra. A suspensão foi gerada após surgimento de lama no mar que atingiu, principalmente, a Praia do Cassino, a mais importante na região, justamente no começo do veraneio, gerando protestos de surfistas e moradores.
A suspeita era que os trabalhos para aumentar o calado de navegação poderiam ter movimentado materiais no mar, provocando o acúmulo de lama. O juiz federal Adérito Martins Nogueira Júnior, que havia concedido a liminar ao MPF, determinou com base em pareceres técnicos do Sistema de Monitoramento da Costa Brasileira ligado à Universidade Federal do Rio Grande, condições para liberar a dragagem.
Entre elas, maior fluxo de informações entre o consórcio responsável pela obra, formado pela Dragabrás e Jan De Nul, e o SIMCosta. Também foram definidas restrições ao uso do overflow - técnica pelo qual parte da água dragada é devolvida ao ambiente. Outra determinação é que, em caso de mau tempo para os trabalhos fora da barra, as atividades poderão ser realizadas sequencialmente nos setores mais internos do canal (setores 7 e 6 do seccionamento da área de dragagem). A retomada da obra nos setores 2A a 5B do canal só ocorrerá após a instalação completa do sistema de monitoramento como foi planejado, que inclui boias SIMCostaRS-03, RS-04 e RS-5 e medições prévias ao reinício da atividade nos demais setores.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia