Porto Alegre, domingo, 02 de agosto de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 02 de agosto de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

contas públicas

- Publicada em 23h33min, 21/01/2019.

Governador de Goiás decreta estado de calamidade financeira

Caiado aguarda aprovação do decreto hoje pelo Legislativo local

Caiado aguarda aprovação do decreto hoje pelo Legislativo local


/MEC/DIVULGAÇÃO/JC
O governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), assinou ontem decreto de calamidade financeira. Com a decisão, a medida, que flexibiliza a administração de governos em crise, já foi adotada por um quarto dos estados brasileiros.
O governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), assinou ontem decreto de calamidade financeira. Com a decisão, a medida, que flexibiliza a administração de governos em crise, já foi adotada por um quarto dos estados brasileiros.
O decreto autoriza o governo a descumprir critérios estabelecidos pela LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal), parcelar ou atrasar o pagamento de dívidas e suspender gastos não essenciais, além de poder receber ajuda federal.
A LRF prevê que, em caso de calamidade, o estado seja dispensado das metas fiscais estabelecidas na lei orçamentária, como limite de gastos com pessoal e de dívidas. Para isso, o decreto precisa ser reconhecido em votação pela Assembleia. De acordo com o governo local, uma sessão extraordinária está prevista para hoje. A validade do decreto será de seis meses, podendo haver prorrogação.
No documento, Caiado afirma que o estado registra constante elevação dos gastos públicos, achatamento da arrecadação e elevado déficit fiscal. O rombo nas contas previsto para este ano é de R$ 6 bilhões.
Goiás será o sétimo estado a entrar em situação de calamidade. Até o momento, o decreto foi usado por Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Roraima, Rio Grande do Norte e Mato Grosso.
Governadores estaduais têm feito visitas ao ministro da Economia, Paulo Guedes, para apresentar dados sobre a situação de crise fiscal e pedir ajuda do governo federal.
O Rio de Janeiro foi o único estado a aderir ao Regime de Recuperação Fiscal, um programa que concede benefícios e suspende o pagamento de dívidas estaduais em troca de um rigoroso programa de ajuste nas contas públicas.
Outros estados, como Rio Grande do Sul e Minas Gerais, negociam a adesão ao programa, mas ainda não se enquadram nas exigências do Tesouro Nacional para comprovar que estão em grave crise e fazem jus ao socorro.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO