Porto Alegre, domingo, 02 de agosto de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 02 de agosto de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado Imobiliário

- Publicada em 23h37min, 21/01/2019. Atualizada em 16h30min, 22/01/2019.

Valor de imóveis volta a crescer em 2018 após três anos de diminuição

O preço nominal médio dos imóveis residenciais em 10 capitais brasileiras subiu 0,64% em 2018. Com isso, os preços no mercado imobiliário voltaram para o campo positivo após fecharem em queda por três anos consecutivos: 2017 (-0,60%), 2016 (-2,26%) e 2015 (-0,20%). Os dados foram divulgados ontem pela Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), cuja pesquisa considera os valores de imóveis vendidos por meio de financiamento bancário.
O preço nominal médio dos imóveis residenciais em 10 capitais brasileiras subiu 0,64% em 2018. Com isso, os preços no mercado imobiliário voltaram para o campo positivo após fecharem em queda por três anos consecutivos: 2017 (-0,60%), 2016 (-2,26%) e 2015 (-0,20%). Os dados foram divulgados ontem pela Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), cuja pesquisa considera os valores de imóveis vendidos por meio de financiamento bancário.
A pesquisa mostrou que, em 2018, oito das 10 capitais pesquisadas tiveram alta nos preços: Belo Horizonte (0,27%), Brasília (0,29%), Porto Alegre (0,40%), Goiânia (1,14%), Curitiba (1,17%), São Paulo (1,31%), Fortaleza (1,31%) e Salvador (1,33%). Na contramão, houve queda dos preços no Rio de Janeiro (-1,49%) e em Recife (-0,22%).
Apesar da elevação nominal dos preços na maioria das capitais, os valores ficaram abaixo da inflação no período, o que ainda representa uma desvalorização real dos imóveis. A Abecip avaliou que uma recuperação mais forte do mercado imobiliário, capaz de impactar os preços reais, ainda depende de um conjunto de fatores, como a aceleração da economia nacional e a aprovação de reformas estruturais no País.
A entidade disse também que as condições para o financiamento das moradias devem melhorar com a tendência de permanência das taxas de juros em níveis historicamente baixos.
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/gif/2019/01/22/206x137/1_desempenho_capital-8603138.gif', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5c4758decfa62', 'cd_midia':8603138, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/gif/2019/01/22/desempenho_capital-8603138.gif', 'ds_midia': 'Confira o desempenho na capital gaúcha', 'ds_midia_credi': 'Thiago Machado/Arte JC', 'ds_midia_titlo': 'Confira o desempenho na capital gaúcha', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '750', 'cd_midia_h': '480', 'align': 'Left'}
Comentários CORRIGIR TEXTO