Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 17 de janeiro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

17/01/2019 - 20h52min. Alterada em 17/01 às 20h52min

Bolsas de Nova Iorque fecham em alta, apoiadas por expectativa com comércio EUA-China

Estadão Conteúdo
Os mercados acionários americanos chegaram ao fim do pregão desta quinta-feira (17) em alta, apoiados pela expectativa de que os Estados Unidos retirem tarifas sobre alguns produtos chineses, aliviando um pouco as tensões comerciais entre as duas maiores economias do globo, um conflito que sacudiu os mercados financeiros nos últimos meses.
O índice Dow Jones fechou em alta de 0,67%, cotado a 24.370,10 pontos; o S&P 500 subiu 0,76%, para 2.635,96 pontos; e o Nasdaq apresentou avanço de 0,71%, para 7.084,46 pontos.
As bolsas em Nova Iorque ganharam impulso depois que o Wall Street Journal noticiou que as autoridades comerciais americana estão cogitando a retirada de algumas tarifas sobre produtos importados da China como forma de acalmar os mercados e incentivar Pequim a fazer concessões mais profundas na resolução de sua batalha comercial. Apesar de ser negada pelo Departamento do Tesouro, a notícia foi bem recebida pelos investidores, já que as preocupações com o comércio global e as incertezas políticas ajudaram a diminuir o sentimento otimista nos últimos meses, dadas as potenciais implicações para o crescimento econômico e as cadeias de fornecimento corporativas.
"As tensões geopolíticas com a China seriam o que reteria o mercado o ano todo se não chegássemos a alguma conclusão ou o que acabaria por ajudar o mercado de ações a ter bom desempenho em 2019 se houvesse uma resolução", disse o diretor de investimentos da Girard, Timothy Chubb. "Eu me preocupo que este seja um daqueles anúncios típicos que estão tentando impulsionar o sentimento dos mercados, mas é encorajador." As ações sensíveis ao comércio dispararam com a Caterpillar adicionando 0,68% e a Boeing em alta de 1,02%.
Preocupações com as relações comerciais sino-americanas vinham surgindo entre os investidores depois das notícias de que procuradores federais dos EUA estão investigando criminalmente a gigante chinesa de telecomunicações Huawei por supostamente roubar segredos de parceiros comerciais americanos. A Alemanha, enquanto isso, está explorando maneiras de proibir o uso de produtos da Huawei na infraestrutura de telecomunicações do país.
Investidores também se atentaram a balanços corporativos. Por isso, a ação do Morgan Stanley caiu 4,41%, depois que o banco informou lucro abaixo das expectativas dos agentes. No entanto, os investidores consideraram, no geral, a temporada de balanços dos bancos como positiva, à medida que os credores foram apoiados pelos recentes aumentos das taxas de juros em solo americano. A ação do Goldman Sachs continuou o rali e subiu 1,02% nesta quinta-feira, enquanto a do Wells Fargo avançou 0,59%. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia