Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 18 de janeiro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

combustíveis

Edição impressa de 18/01/2019. Alterada em 17/01 às 01h00min

Parecer da AGU dá aval para o plano de privatização da Refap, em Canoas

Entre os ativos que a Petrobras pretende colocar o controle à venda, amparada no parecer da Advocacia Geral da União (AGU), está a refinaria Alberto Pasqualini, localizada no município de Canoas.
Em abril do ano passado, a estatal petrolífera anunciou um plano para se desfazer de participações em uma série de empreendimentos na área de refino de petróleo, e entre as unidades abrangidas encontrava-se o complexo gaúcho.
Na ocasião, a intenção da companhia era vender 60% da sua participação de 100% na empresa canoense. O negócio fazia parte de um pacote maior proposto pelo grupo petrolífero.
Além da planta no Rio Grande do Sul, a meta era também repassar 60% das refinarias Presidente Getúlio Vargas (Repar, do Paraná), Abreu e Lima (RNEST, em Pernambuco) e Landulpho Alves (RLAM, na Bahia). Estava previsto, ainda, alienar o controle de 12 terminais (cinco no Nordeste e sete na região Sul). No Estado, essas estruturas estão localizadas em Tramandaí, Rio Grande e Canoas.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia