Porto Alegre, domingo, 02 de agosto de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 02 de agosto de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

consumo

- Publicada em 02h43min, 16/01/2019.

Sul tem 8,2 milhões de pessoas inadimplentes

Apesar dos números, região concentra o menor índice de endividados

Apesar dos números, região concentra o menor índice de endividados


/FREEIMAGES.COM/DIVULGAÇÃO/JC

A região Sul do Brasil encerrou o ano de 2018 com 8,29 milhões de consumidores negativados, ou seja, com alguma conta em atraso e com o CPF restrito para contratar crédito ou fazer compras parceladas. O número corresponde a 36,4% da população adulta do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, registrando uma alta na ordem de 1,8% na comparação com 2017. No País, de acordo com os dados do Indicador de Inadimplência da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), o último ano finalizou com 62,6 milhões de inadimplentes, crescimento de 4,41% em relação a 2017.

A região Sul do Brasil encerrou o ano de 2018 com 8,29 milhões de consumidores negativados, ou seja, com alguma conta em atraso e com o CPF restrito para contratar crédito ou fazer compras parceladas. O número corresponde a 36,4% da população adulta do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, registrando uma alta na ordem de 1,8% na comparação com 2017. No País, de acordo com os dados do Indicador de Inadimplência da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), o último ano finalizou com 62,6 milhões de inadimplentes, crescimento de 4,41% em relação a 2017.

Apesar da pequena elevação, a análise mostra que a região Sul tem o menor percentual da população adulta com CPF negativado, ficando atrás da Norte, com 46,5%; Centro-Oeste, com 42,3%; Nordeste, com 41,8% e Sudeste, com 40%. Para o presidente da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Rio Grande do Sul (FCDL-RS), Vitor Augusto Koch, os números finais de 2018 mostram que o ano foi extremamente difícil para as famílias brasileiras conseguirem honrar seus compromissos.

"Foi mais um ano em que não observamos a plena recuperação econômica do nosso País. Apesar de avanços em alguns aspectos pontuais, a geração de empregos e de renda ainda não atingiu patamares que permitam aos brasileiros terem as condições necessárias para quitarem todos os seus débitos. Diante disso, muitos optam por escolher o que é mais urgente para pagar e acabam tendo seus CPFs restringidos nos serviços de proteção ao crédito", destaca o dirigente.

O presidente da FCDL-RS espera que 2019 traga condições para que um maior número de pessoas deixe de estar inadimplente, com o Brasil vivendo uma melhora econômica mais robusta, sedimentada na geração de novos postos de trabalho e em maior incremento da renda dos brasileiros. Além disso, é preciso que a população aprenda a gerenciar melhor as finanças familiares e evite ficar com o CPF negativado. "Pelas primeiras notícias de 2019 já vemos uma elevação da confiança no novo governo federal e nas boas expectativas com as reformas estruturantes, que tendem a injetar ânimo dos agentes econômicos. São fatores fundamentais para gerar uma recuperação mais consistente do mercado de trabalho", explica.

Se o total de inadimplentes cresceu, o volume de dívidas em nome de pessoas físicas apresentou redução na região Sul, de acordo com o levantamento do SPC Brasil. O recuo, na comparação com 2017, foi da ordem de 1,73%, totalizando 2,08 débitos em média.

Os dados abertos por setor credor revelam que, em 2018, em todo o Brasil, os débitos com as contas de serviços essenciais para o funcionamento da residência, como água e luz, foram os que mais cresceram no período, um avanço de 14,88%. Já as dívidas bancárias, que englobam cartão de crédito, cheque especial, financiamentos e empréstimos, ficaram em segundo lugar no ranking, com crescimento de 6,81% na comparação anual. As dívidas contraídas no comércio e com boletos de telefonia, TV por assinatura e internet caíram -5,09% e -0,37%, respectivamente.

Com Black Friday, varejo brasileiro avançou 2,9% em novembro

Segmento de artigos pessoais registrou elevação de 6,9% no período
Segmento de artigos pessoais registrou elevação de 6,9% no período
/Stéphany Franco/Especial/JC

Puxado pelas promoções da Black Friday, o volume de vendas no varejo subiu 2,9% em novembro, na comparação com o mês anterior, e registrou a segunda maior alta mensal da série histórica iniciada em 2000, informou o IBGE. Em relação ao mesmo período do ano anterior, o crescimento foi de 4,4%.

A alta de novembro só não superou a de janeiro de 2017, quando as vendas cresceram 4% em relação a dezembro de 2016. O avanço em novembro também interrompe duas taxas negativas consecutivas, período em que o varejo acumulou perda de 1,8%.

"O resultado de novembro compensou essa queda. A recuperação fica evidente não só pela taxa expressiva, mas pelo perfil predominantemente positivo entre as atividades", disse a gerente da pesquisa, Isabella Nunes.

Segundo o IBGE, um indicador da importância das promoções no resultado positivo foi a forte alta do grupo outros artigos de uso pessoal e doméstico, que cresceu 6,9% frente a outubro (quando avançou apenas 0,6%) e 16,9% em relação a novembro de 2017. A categoria engloba lojas de departamentos, óticas, joalherias, artigos esportivos, brinquedos, entre outros.

"Quem mais influenciou o resultado positivo foram justamente as atividades mais sensíveis às promoções da Black Friday. São atividades que têm uma concentração de empresas que se beneficiam mais das vendas online, que é o foco das promoções de novembro. Observamos isso em relação a outubro, mas também com relação a novembro do ano passado", afirma Nunes.

Destaque também para as categorias de móveis e eletrodomésticos, que cresceu 5% em novembro na comparação mensal, e de artigos farmacêuticos, médios e ortopédicos, com alta de 2,8%. Com o resultado, o comércio acumula alta de 2,5% em 2018 e de 2,6% nos últimos 12 meses.

"O patamar atual de vendas está próximo de junho de 2015. Ele coloca o comércio na menor distância do pico da série histórica desde então. Porém, mesmo com esse avanço importante, ainda está 5,1% abaixo do recorde, que foi em outubro de 2014", diz Nunes. O chamado varejo ampliado, que inclui material de construção e veículos, teve alta de 1,5% em novembro em relação a outubro e 5,8% na comparação com 2017.

Inflação de famílias mais pobres dispara em dezembro, segundo o Ipea

A inflação das famílias mais pobres no Brasil disparou em dezembro em relação à das famílias mais ricas, segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), apesar de, no acumulado de 2018, o Indicador Ipea de Inflação por Faixa de Renda ter sido mais equilibrado. Em dezembro, as famílias de renda mais baixa registraram inflação de 0,21% contra 0,09% identificados nos ajustes de preços da renda mais alta.

O resultado se deve ao maior aumento do preço de itens que impactam com mais força a baixa renda, como alimentos. Segundo o Ipea, em dezembro, os legumes subiram 9%; as verduras, 2,3%; frutas, 3%; e carnes, 2%. Também pesaram o aumento do preço do vestuário, como roupas femininas, em alta de 2,3%, e o reajuste de 0,5% do aluguel. Já para as famílias de alta renda, pesaram as passagens aéreas impulsionadas pelas férias, com preços 29,1% mais altos, e do aumento de 0,8% dos planos de saúde.

Por outro lado, a energia beneficiou a todas as classes, com queda de 4,8% no preço da gasolina e de 2% na conta de luz. "A queda de 4,8% no preço da gasolina foi o principal fator de descompressão inflacionária nas faixas de renda mais alta, que também se beneficiaram, ainda que em menor proporção, da queda das tarifas de energia elétrica", explicou o Ipea.

No acumulado de 2018, a inflação cresceu em todos os segmentos de renda, resultado do aumento dos preços dos alimentos a partir do segundo semestre e, sobretudo, dos reajustes dos combustíveis e da energia elétrica entre junho e outubro. Embora as famílias mais pobres tenham sofrido mais em dezembro, no acumulado de 12 meses a alta de preços neste segmento foi de 3,5%, contra 3,9% nas faixas de renda mais alta.

Comentários CORRIGIR TEXTO