Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 27 de janeiro de 2020.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Comércio Exterior

14/01/2019 - 15h54min. Alterada em 14/01 às 16h37min

Balança tem superávit de US$ 1,766 bilhão na 2ª semana de janeiro

Ministério estima que balança comercial será favorável em US$ 50 bi

Ministério estima que balança comercial será favorável em US$ 50 bi


TOSHIFUMI KITAMURA/AFP/JC
A balança comercial brasileira registrou superávit comercial de US$ 1,766 bilhão na segunda semana de janeiro (de 7 a 13). De acordo com dados divulgados nesta segunda-feira (14) pela Secretaria de Comércio Exterior do Ministério da Economia, o valor foi alcançado com exportações de US$ 5,406 bilhões e importações de US$ 3,640 bilhões.
A balança comercial brasileira registrou superávit comercial de US$ 1,766 bilhão na segunda semana de janeiro (de 7 a 13). De acordo com dados divulgados nesta segunda-feira (14) pela Secretaria de Comércio Exterior do Ministério da Economia, o valor foi alcançado com exportações de US$ 5,406 bilhões e importações de US$ 3,640 bilhões.
Em janeiro, o saldo é positivo em US$ 3,611 bilhões até o dia 13, 27,8% maior do que o registrado em todo o mês de janeiro do ano passado. Houve alta de 49% na média diária das exportações na comparação com o mesmo mês do ano passado, com aumento nas vendas de manufaturados (+67,6%), produtos básicos (+49,2%) e semimanufaturados (+29,6%).
Já as importações registraram alta de 8,7% na mesma comparação, com crescimento nos gastos, principalmente com adubos e fertilizantes (+67,8%), alumínio e suas obras (+42,5%), químicos orgânicos e inorgânicos (+31,4%), plásticos e obras (+20,3%) e equipamentos eletroeletrônicos (+11,8%).
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia