Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 11 de janeiro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Aviação

11/01/2019 - 16h31min. Alterada em 11/01 às 16h33min

Gol espera que sua capacidade no mercado doméstico cresça entre 2% a 4% este ano

Projeção da Gol para crescimento da oferta doméstica é conservadora, segundo executivo da companhia

Projeção da Gol para crescimento da oferta doméstica é conservadora, segundo executivo da companhia


GOL/DIVULGAÇÃO/JC
Estadão Conteúdo
Embora acredite que será a maior beneficiária do momento difícil atravessado pela Avianca, a Gol acha prematuro especular sobre uma melhora do ambiente para yield (valor médio pago por um passageiro para voar um quilômetro) com a redução de capacidade da aérea concorrente, afirmou nesta sexta-feira (11), o vice-presidente Financeiro da Gol, Richard Lark.
Em reunião com analistas, o executivo comentou ainda que a projeção da companhia para crescimento da oferta doméstica em 2019 continua conservadora. Segundo a revisão das projeções financeiras divulgada nesta manhã de sexta-feira, a Gol espera que sua capacidade (medida em ASK) no mercado doméstico cresça entre 2% a 4% neste ano.
Durante a apresentação, ele ressaltou também o bom comportamento da demanda brasileira, o que confere à empresa maior poder na hora de precificar as tarifas - sobretudo no início de ano, sazonalmente mais forte. Especialmente em 2019, o período favorável às viagens aéreas deve se estender até março, quando acontecerá o carnaval, observa Lark.
No quarto trimestre de 2018, a Gol estima que sua margem operacional (Ebit) tenha atingido entre 19,5% a 20% (+6 pontos percentuais na comparação anual), "um destaque", na avaliação de Lark, considerando que a companhia não capturou, no período, todo o benefício da queda dos preços do petróleo.
Ainda sobre os preços do óleo bruto, o vice-presidente Financeiro avaliou que a Gol "ficará em boa situação" mesmo se a cotação voltar a subir, uma vez que realiza hedges para se proteger desse tipo de comportamento da commodity.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia