Porto Alegre, domingo, 02 de agosto de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 02 de agosto de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Tecnologia

- Publicada em 22h00min, 10/01/2019. Atualizada em 21h34min, 06/07/2020.

Papel da Ceitec é defendido por especialistas do setor

Ex-presidente da companhia, Lubaszewski diz que operação é essencial

Ex-presidente da companhia, Lubaszewski diz que operação é essencial


/CLAITON DORNELLES/JC
Patricia Knebel
Ainda não há uma definição sobre o que acontecerá com a Ceitec, empresa pública de semicondutores vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) instalada na Lomba do Pinheiro, em Porto Alegre. Depois de informações extraoficiais de que o governo federal iria fechar a operação e demitir os funcionários, o ministro Marcos Pontes, do MCTIC negou, por meio de nota, que haja uma definição. "Não existe decisão ou confirmação de que a Ceitec será liquidada pelo governo federal", diz o texto. Procurada, a Ceitec não se prolongou no assunto e disse apenas que a posição da empresa é a mesma do MCTIC.
Ainda não há uma definição sobre o que acontecerá com a Ceitec, empresa pública de semicondutores vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) instalada na Lomba do Pinheiro, em Porto Alegre. Depois de informações extraoficiais de que o governo federal iria fechar a operação e demitir os funcionários, o ministro Marcos Pontes, do MCTIC negou, por meio de nota, que haja uma definição. "Não existe decisão ou confirmação de que a Ceitec será liquidada pelo governo federal", diz o texto. Procurada, a Ceitec não se prolongou no assunto e disse apenas que a posição da empresa é a mesma do MCTIC.
A fábrica da Ceitec em Porto Alegre tem 194 empregados, com salário médio de R$ 8,6 mil. A empresa recebeu subvenção do Tesouro Nacional de R$ 75 milhões em 2017. O fato de a Ceitec não ser lucrativa, muitas vezes pesa no discurso das pessoas para defender a sua extinção. Mas, para especialistas do setor, a capacidade de gerar lucro não é o fator que deve ser considerado em uma operação como essa. "O papel da Ceitec nunca foi muito bem compreendido pela sociedade e pelos tomadores de decisão. A empresa é um elo essencial da política industrial brasileira na área de microeletrônica, e isso não pressupõe que o resultado principal que entregará é o financeiro", destaca Marcelo Lubaszewski, que foi presidente da Ceitec de 2013 a 2016 e hoje é o diretor do Zenit - Parque Científico e Tecnológico da Ufrgs. Segundo ele, a operação tem sido muito importante pelo pioneirismo, por abrir portas, trabalhar os fornecedores dessa cadeia e permitir a instalação de novas empresas e instituições.
A opinião é corroborada pelo empresário Ricardo Felizzola, que há muitos anos acompanha esse setor, inclusive sendo o fundador da HT Micron (instalada no Tecnosinos e fruto da cooperação tecnológica entre Brasil e Coréia do Sul). "A Ceitec está tendo um desempenho baixo como empresa, mas elevadíssimo como sinal de interesse do Brasil pelo setor de microeletrônica", destaca. Em 2018, a operação faturou R$ 7 milhões com a venda de circuitos integrados, encapsulamentos e tags especiais. O gestor cita esse projeto e o da Smart Modular Technologies como resultado direto da criação da Ceitec. "Hoje esse setor já fatura mais de R$ 3 bilhões no País graças a essa iniciativa", aponta.
Felizzola acredita que ainda é cedo para saber o que acontecerá com a empresa e destaca que antes de entender isso, é preciso saber qual será a política do governo federal com relação a esse mercado de microeletrônica. "A continuidade disso é questão de vontade política e de envolvimento do setor empresarial. A microeletrônica está associada ao que há de mais moderno no mundo. Fechar a Ceitec não é uma medida razoável para o País", defende.
O professor de microeletrônica da Instituto de Informática da Ufrgs, Sergio Bampi, comenta que o grande capital acumulado pela Ceitec é o intelectual e a sua capacidade de design de chips em algumas áreas, como Internet das Coisas (IoT). E afirma que isso não pode ser perdido. "Seria uma péssima decisão fechar a empresa, pois estaríamos desperdiçando todo capital humano de experiência de mercado acumulado em quase 20 anos", destaca. Vale ressaltar que a Ceitec surgiu como projeto em 2000, mas apenas em 2005 começou a operar com o seu Centro de Design e, anos depois, com a fábrica.
Bampi participou da criação da empresa e ajudou a montar o time de designers. Ele acredita que, apesar de algumas decisões equivocadas tomadas ao longo deste período, a operação atua em nichos estratégicos. "Não existe hoje no Brasil nenhuma outra empresa com o know how da Ceitec no mercado de IoT. A operação tem competência técnica para projetar, vender e entregar dispositivos para este mercado explosivo", diz. Dados da Frost & Sullivan mostram que a IoT atingirá 995 milhões de dispositivos em 2023 na América Latina.
Porém, Bampi acredita que é preciso reavaliar e, quem sabe, até reposicionar a operação. "Uma alternativa seria partir para uma privatização parcial. Tem partes da empresa que são lucrativas e interessam muito ao mercado, como o Centro de Design e o portfólio de produtos de RFID e IoT", acredita. Por outro lado, poderia ficar sob a tutela do poder público a área de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D), mantendo a capacitação tecnológica na infraestrutura/sala limpa de micro fabricação de eletrônicos. Lubaszewski também vê a privatização como natural. "A empresa foi pensada para ser empresa pública apenas no início. Mas, claro, não podemos liquidar a empresa, sob pena de retirarmos o Brasil do mapa de um segmento tão estratégico", alerta.
Comentários CORRIGIR TEXTO