Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 10 de janeiro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura internacional

11/01/2019 - 01h00min. Alterada em 11/01 às 01h00min

BCE cita 'incerteza geral', tensões comerciais e Brexit

Dirigentes do Banco Central Europeu (BCE) alertaram sobre crescentes riscos econômicos e um clima de "incerteza geral" na reunião de política monetária dos dias 12 e 13 de dezembro, apesar da determinação da instituição de encerrar seu programa de relaxamento quantitativo (QE, pela sigla em inglês), segundo ata do encontro divulgada nesta quinta-feira.
Nas últimas semanas, os mercados financeiros globais exibiram forte volatilidade em meio a sinais de fraqueza de grandes economias, como China e zona do euro. Contribuiu para a turbulência o comportamento de grandes bancos centrais, incluindo o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), que, no ano passado, elevou seus juros básicos em quatro ocasiões - a última vez em dezembro.
Na reunião do mês passado, autoridades do BCE discutiram como responder às incertezas geradas por tensões comerciais, pelo Brexit (Processo para a retirada do Reino Unido da União Europeia) e pela volatilidade nos mercados mundiais.
No documento, o BCE cita o caso de mercados emergentes, com a vulnerabilidade diminuindo em alguns países, como Turquia e Argentina, mas ganhando força em outras partes.
Apesar disso, as dirigentes do BCE avaliaram que a perspectiva de médio prazo da zona do euro continua sólida, uma vez que seu mercado de trabalho permanece forte e o salários estão em ascensão.
Em dezembro, o BCE formalizou o fim do QE, pelo qual a instituição vinha fazendo compras mensais de bilhões de euros em bônus de governos e outros ativos. No total, as compras atingiram € 2,5 trilhões.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia