Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 09 de janeiro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

aviação

09/01/2019 - 18h35min. Alterada em 09/01 às 18h35min

Voo irregular de drone fecha Aeroporto de Congonhas por 20 minutos

Estadão Conteúdo
O voo irregular de um drone nas proximidades do Aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo, no início da tarde de terça-feira (8), obrigou o terminal a interromper as operações durante 20 minutos. Dezesseis voos ficaram atrasados.
Segundo a Força Aérea Brasileira (FAB), o sistema de controle de tráfego aéreo de São Paulo foi notificado do avistamento do drone e as aproximações para pouso foram suspensas por 20 minutos entre 13h10 e 13h30 no Aeroporto de Congonhas.
A Infraero informou que houve atrasos de mais de 30 minutos em 16 voos entre 13h11 e 14h30 - três deles voos de chegada e 13, de partida. Após as 14h30 desta terça e até a tarde desta quarta-feira, 9, a operação do terminal está normalizada.
Segundo a FAB, os drones não podem sobrevoar áreas em um raio de 9 quilômetros de um aeródromo, incluindo as zonas de aproximação e de decolagem. Voos próximos de aeroportos e helipontos podem ser punidos com prisão de dois a cinco anos por expor a perigo uma aeronave.
Em 2017, um drone foi avistado perto do Aeroporto de Congonhas, paralisando as operações de pouso e decolagem por aproximadamente duas horas. Segundo o Decea, mais de quarenta voos foram afetados e centenas de pessoas tiveram suas atividades prejudicadas.
Em dezembro do ano passado, havia mais de 59 mil drones cadastrados na Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia