Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 09 de janeiro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

indústria

09/01/2019 - 16h31min. Alterada em 09/01 às 16h31min

Setor industrial gaúcho espera aceleração da atividade

Pesquisa aponta ociosidade em declínio e expectativa de de aumento da demanda e do emprego

Pesquisa aponta ociosidade em declínio e expectativa de de aumento da demanda e do emprego


CLAITON DORNELLES /JC
A indústria gaúcha está mais otimista. A expectativa positiva do setor foi refletida na Sondagem Industrial de novembro de 2018, divulgada nesta quarta-feira (9), pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs). Em nota, a instituição destaca que a sondagem concluiu que o setor espera desempenho da produção e do emprego acima da média, ociosidade em declínio, estoques ajustados e expectativas de aumento da demanda e do emprego.
"O resultado demonstra a melhora na atividade do setor industrial gaúcho e a maior disposição dos empresários em investir a partir de 2019", afirma o presidente da Fiergs, Gilberto Porcello Petry.
O levantamento mostra também que os empresários do setor se mantiveram otimistas para os próximos seis meses, com aumento em todos os indicadores na comparação com novembro. A disposição para investir nos próximos seis meses aumentou, com o indicador pulando de 53,8, em novembro, para 56,9 pontos, em dezembro. O indicador de demanda subiu de 57,1, para 58,6 pontos, o de compras de matérias-primas foi de 54,6 para 56,5 e o de número de empregados, de 52,2 para 53,4 pontos. O indicador de exportações também avançou entre novembro e dezembro, mas registrou o menor valor entre todos, passando de 52,2 para 53,3.
O índice de produção atingiu, em novembro, 50,8 pontos, o que é melhor do que se poderia esperar para o mês, que tende tradicionalmente a ter uma produção menor. Ainda assim, está acima de 50 pontos, indicando expansão. Naquele mês, a alta na produção gerou empregos pela primeira vez desde 2011. O índice foi de 50,7 pontos.
A sondagem mostra ainda que, mesmo com o recuo de um ponto percentual em relação a outubro, a Utilização da Capacidade Instalada (UCI) atingiu, em novembro, o maior patamar para o mês desde 2014: 71%. Já o indicador de UCI em relação à usual para o mês, que segue o critério de pontos, ficou em 45,4, demonstrando (inferior aos 50) que a indústria gaúcha ainda opera abaixo do normal.
Outro fator que revela melhora na situação da indústria no RS são os estoques de produtos finais. O indicador de estoques em relação ao planejado cresceu de 49,5 em outubro para 50,4 em novembro, considerado no nível esperado pelas empresas. A consequência é que com estoques ajustados, as perspectivas para a produção nos próximos meses são positivas.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia