Porto Alegre, domingo, 02 de agosto de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 02 de agosto de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 22h30min, 07/01/2019. Atualizada em 09h54min, 08/01/2019.

Poupança tem melhor resultado desde 2013

Em 2018, brasileiros depositaram o montante de R$ 2,253 trilhões

Em 2018, brasileiros depositaram o montante de R$ 2,253 trilhões


/FREEPIK.COM/DIVULGAÇÃO/JC
Aplicação mais popular entre os brasileiros, a caderneta de poupança encerrou o ano de 2018 com uma captação líquida total de R$ 38,260 bilhões, informou ontem o Banco Central (BC). O saldo positivo é o maior desde 2013, quando os brasileiros haviam aplicado R$ 71,048 bilhões líquidos na poupança. Na época, o País ainda não havia passado pelo período de recessão.
Aplicação mais popular entre os brasileiros, a caderneta de poupança encerrou o ano de 2018 com uma captação líquida total de R$ 38,260 bilhões, informou ontem o Banco Central (BC). O saldo positivo é o maior desde 2013, quando os brasileiros haviam aplicado R$ 71,048 bilhões líquidos na poupança. Na época, o País ainda não havia passado pelo período de recessão.
A captação positiva da poupança no ano passado reflete, em grande parte, o processo de retomada da economia. Embora os dados de atividade de 2018 ainda não tenham sido fechados, a expectativa do mercado financeiro é de que o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro tenha subido 1,3%. Neste ambiente, as famílias também tiveram mais espaço no orçamento para guardar dinheiro.
Em 2018, os depósitos brutos na poupança somaram o montante de R$ 2,253 trilhões. Já os saques atingiram os R$ 2,214 trilhões.
Com a captação positiva de R$ 38,260 bilhões no ano, a caderneta de poupança encerrou 2018 com um saldo total de R$ 797,281 bilhões, já considerando os rendimentos de R$ 34,417 bilhões verificados ao longo do período.
Em anos anteriores, os resultados foram piores. Em 2014, quando o PIB havia crescido apenas 0,5%, a captação líquida havia sido de R$ 24,034 bilhões.
No ano seguinte, quando o Brasil amargou recessão de 3,5%, os brasileiros sacaram R$ 53,568 bilhões líquidos da poupança. Na época, com o desemprego em alta e a renda em queda, as famílias recorreram à caderneta para fazer frente a despesas regulares.
Em 2016, com a retração de 3,3% do PIB, os saques líquidos da poupança somaram R$ 40,702 bilhões. Já em 2017, com o crescimento de 1,1% da economia, houve captação líquida de R$ 17,127 bilhões.
Após a queda da renda dos trabalhadores nos anos de recessão, houve um início de retomada nos últimos anos, como apontam os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O mesmo vale para o emprego, que iniciou processo de retomada gradual.
Com mais renda, as famílias passaram a ter maior espaço no orçamento para poupar. Nos 12 meses de 2018, houve captação líquida na poupança em nove deles. Apenas em janeiro e fevereiro - quando os saques para pagamento de despesas como IPVA, IPTU e matrículas escolares aumentam - e no mês de outubro as retiradas da poupança superaram os depósitos.
Em dezembro - mês em que os aportes aumentam, em função do pagamento do 13º salário - a captação líquida foi de R$ 14,607 bilhões.
Esta procura maior pela poupança ocorreu apesar de a rentabilidade ser, atualmente, inferior ao visto em anos anteriores. Hoje a poupança é remunerada pela taxa referencial (TR), que está próxima de zero, mais 70% da Selic (a taxa básica de juros da economia). A Selic, por sua vez, está em 6,50% ao ano desde março de 2018.
Esta regra de remuneração vale sempre que a Selic estiver abaixo dos 8,50% ao ano. Quando estiver acima disso, a poupança é atualizada pela TR mais uma taxa fixa de 0,5% ao mês (6,17% ao ano). Esta remuneração, mais elevada, deixou de valer em setembro de 2017, quando a Selic passou para abaixo do nível de 8,50%.
Apesar dos resultados positivos da caderneta em 2018, os brasileiros ainda não têm o hábito de guardar dinheiro. Dados do Banco Mundial mostram que, em 2017, apenas 32% dos brasileiros com mais de 15 anos de idade guardaram alguma quantia de dinheiro - seja na caderneta, seja em qualquer outra aplicação financeira. A média global é de 48% e nos países de alta renda o percentual é de 73%.
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/png/2019/01/07/206x137/1_captacao-8590642.png', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5c33e24c57bea', 'cd_midia':8590642, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/png/2019/01/07/captacao-8590642.png', 'ds_midia': ' ', 'ds_midia_credi': ' ', 'ds_midia_titlo': ' ', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '552', 'cd_midia_h': '493', 'align': 'Left'}
Comentários CORRIGIR TEXTO