Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 08 de janeiro de 2019.
Dia Nacional do Fotógrafo.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Relações Internacionais

Edição impressa de 08/01/2019. Alterada em 08/01 às 01h00min

Araújo vê China como modelo para relações exteriores

Em artigo publicado ontem pela agência de notícias Bloomberg, o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo, mencionou a China como um exemplo de país que "defende, sem pedir desculpas, seu interesse nacional e sua identidade, suas ideias específicas sobre o mundo".
No texto, o chanceler afirma que a política externa do Brasil está em processo de mudança, de um perfil que chamou de inerte e que recitava "a cartilha das Nações Unidas" durante governos petistas, para uma postura em que o País passa a falar "com a própria voz".
Araújo colocou a China como uma nação que não renuncia a uma posição altiva no cenário internacional, o que faz com que seja respeitada e faça bons negócios. "Por que outros países devem ser obrigados a esposar certas ideias antes de serem considerados bons parceiros comerciais?", escreveu.
A China havia sido criticada pelo presidente Jair Bolsonaro, a quem chamou de predador com interesse em "comprar o Brasil", em referência à aquisição de terras brasileiras por chineses. Araújo também já havia se mostrado crítico ao país asiático em textos publicados em seu blog pessoal.
Na última quinta-feira, o presidente chinês, Xi Jinping, enviou uma carta ao presidente Bolsonaro na qual deu os parabéns pela posse e se mostrou disposto a aprofundar relações bilaterais de longo prazo entre os dois países.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia