Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 03 de janeiro de 2019.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Combustíveis

Edição impressa de 03/01/2019. Alterada em 03/01 às 01h00min

Em 2018, gasolina cai na refinaria mas registra aumento nos postos

Nas bombas, valor do litro subiu 1,75% em 12 meses, diz ANP

Nas bombas, valor do litro subiu 1,75% em 12 meses, diz ANP


/FEDERICO PARRA/AFP/JC
Após disparar em meados do ano, o preço da gasolina nas refinarias da Petrobras entrou em queda e fechou 2018 14,3% menor do que no último dia de 2017. Nas bombas, porém, os preços subiram na mesma comparação. Já o diesel e o gás de botijão fecharam 2018 mais baratos.
Segundo a ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis), a gasolina era vendida na semana passada pelos postos a R$ 4,344 por litro, na média nacional, 1,75% superior aos R$ 4,265 vigentes na última semana de 2017, em valores corrigidos pela inflação. Nas refinarias, o preço médio da gasolina no fim de 2018 era R$ 1,5087 por litro, quase R$ 0,26 por litro abaixo dos R$ 1,7619 vigentes ao fim de 2017.
Os números da ANP mostram que houve aumento da margem de lucro dos postos, que passou de R$ 0,410 para R$ 0,485 por litro (alta de 18,3%) entre as últimas semanas de 2017 e de 2018.
A carga tributária sobre o combustível também subiu, na esteira da escalada dos preços de refinaria entre o fim do primeiro semestre e o começo do segundo, quando as cotações internacionais do petróleo e a taxa de câmbio dispararam. O cenário, que levou à deflagração da paralisação dos caminhoneiros, levantou questionamentos sobre a política de preços da Petrobras. No fim de maio, o governo decidiu congelar o preço do diesel e subsidiar produtores e importadores. Em setembro, a Petrobras anunciou a possibilidade de segurar os preços da gasolina por até 15 dias, em caso de excessiva volatilidade externa.
Nas bombas, o preço do diesel fechou o ano em R$ 3,451 por litro, praticamente estável com relação ao fim de 2015 (queda de 0,28%). Nas refinarias, a queda durante o ano foi de R$ 5,95%. O programa de subvenção que garantia ressarcimento de até R$ 0,30 por litro foi encerrado em 31 de dezembro. No dia 1 de janeiro, a Petrobras elevou o preço de refinaria em 2,5%.
Já o botijão de gás, que teve em 2017 a maior alta de 15 anos, caiu 1,31% nas revendas em 2018, fechando o ano em R$ 69,21.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia