Porto Alegre, domingo, 02 de agosto de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 02 de agosto de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 05h30min, 03/01/2019.

Ibovespa tem recorde no primeiro pregão do ano

O primeiro pregão de 2019 foi marcado pela euforia na bolsa doméstica, que operou ontem descolada do exterior com as perspectivas positivas para a economia no governo Jair Bolsonaro e renovou a máxima histórica de fechamento, acima dos inéditos 91 mil pontos. O principal condutor do otimismo no mercado acionário doméstico foi o fechamento de apoio da bancada do PSL, partido de Bolsonaro, à reeleição de Rodrigo Maia (DEM-RJ) para o comando da Câmara dos Deputados. A avaliação é de que a eventual reeleição de Maia pode facilitar a aprovação das reformas do novo governo.
O primeiro pregão de 2019 foi marcado pela euforia na bolsa doméstica, que operou ontem descolada do exterior com as perspectivas positivas para a economia no governo Jair Bolsonaro e renovou a máxima histórica de fechamento, acima dos inéditos 91 mil pontos. O principal condutor do otimismo no mercado acionário doméstico foi o fechamento de apoio da bancada do PSL, partido de Bolsonaro, à reeleição de Rodrigo Maia (DEM-RJ) para o comando da Câmara dos Deputados. A avaliação é de que a eventual reeleição de Maia pode facilitar a aprovação das reformas do novo governo.
As sinalizações em relação ao encaminhamento da reforma da Previdência no Congresso e à agenda de privatizações foram outros fatores a impulsionarem o Ibovespa, que encerrou em alta de 3,56%, aos 91.012 pontos, superando o recorde de fechamento alcançado em 3 de dezembro de 2018 (89.820 pontos). O volume foi de R$ 17,314 bilhões.
As ações dos principais bancos tiveram altas expressivas, acima de 4%, enquanto as da Petrobras avançaram até 6%. O destaque foram as ações da Eletrobras, com altas de 20,72% (ON) e 14,52% (PNB), após Wilson Ferreira Junior confirmar o convite para permanecer na presidência da estatal.
Ditado por um otimismo doméstico, o dólar operou na maior parte do dia de ontem descolado dos pares emergentes e fechou cotado a R$ 3,8046, em queda de 1,83%, no menor patamar desde 21 de novembro. Se o real já era beneficiado, de manhã, pelo bom humor do mercado no primeiro dia de trabalho do presidente Jair Bolsonaro, o movimento foi acentuado após o PSL fechar apoio a Rodrigo Maia para a presidência da Câmara dos Deputados.
Na visão dos investidores, o alinhamento à candidatura de Maia aumentaria as chances de uma aprovação das pautas fiscalistas do governo, com destaque para a reforma da Previdência. O atual presidente da Câmara tem demonstrado apoio a essa pauta.
.
Comentários CORRIGIR TEXTO