Porto Alegre, sexta-feira, 13 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

mercado financeiro

24/12/2018 - 18h50min. Alterada em 24/12 às 18h50min

Petróleo fecha em queda, em meio a temores persistentes com excesso de oferta

Os contratos futuros de petróleo fecharam em forte queda nesta segunda-feira (24), véspera de Natal, em meio a temores persistentes sobre o excesso de oferta da commodity no mundo.
Os contratos futuros de petróleo fecharam em forte queda nesta segunda-feira (24), véspera de Natal, em meio a temores persistentes sobre o excesso de oferta da commodity no mundo.
O petróleo WTI para fevereiro fechou em queda de 6,71%, a US$ 42,53 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), o valor mais baixo desde 2016. Já o Brent para o mesmo mês recuou 6,22%, a US$ 50,47 o barril, na Intercontinental Exchange (ICE).
A queda expressiva desta segunda-feira mostra ceticismo dos investidores com o compromisso da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) em manter a produção reduzida. Ao mesmo tempo, operadores já anteciparam que a produção de países que não fazem parte do cartel deve aumentar em 170 mil barris por dia no primeiro semestre de 2019.
Soma-se a esses fatores a aversão generalizada a risco, que se reflete nas quedas recentes das bolsas no mundo inteiro, criando um medo de recessão que poderia reduzir ainda mais a demanda pela commodity.
Nesta véspera de Natal, o petróleo fechou uma hora mais cedo.