Porto Alegre, sexta-feira, 13 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

mercado financeiro

Notícia da edição impressa de 20/12/2018. Alterada em 20/12 às 01h00min

B3 lança plataforma digital para ressarcir prejuízos

Desde ontem, os investidores que quiserem tentar ressarcimento de prejuízos causados por corretoras na intermediação de operações com valores mobiliários podem fazer todo o processo de forma digital. A BSM, entidade de autorregulação da B3, colocou no ar uma plataforma digital do Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (MRP), que assegura cobertura de até R$ 120 mil.
Desde ontem, os investidores que quiserem tentar ressarcimento de prejuízos causados por corretoras na intermediação de operações com valores mobiliários podem fazer todo o processo de forma digital. A BSM, entidade de autorregulação da B3, colocou no ar uma plataforma digital do Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (MRP), que assegura cobertura de até R$ 120 mil.
De acordo com o diretor da BSM, Marcos Torres, toda a comunicação, que antes era feita em papel, poderá ser realizada por meio da plataforma, mas o prazo de instrução do processo permanece o mesmo - em média, 120 dias. "O MRP tem um processo de análise que dá espaço aos agentes para apresentarem suas posições também. Em alguns casos, também fazemos diligências. O prazo considera a necessidade de abrir espaço para o contraditório", afirma.
A cobertura do MRP inclui prejuízos causados por execuções de operações sem ordens, infiéis ou inexecução de ordens, falhas em ferramentas de negociação disponibilizadas ao investidor. Além disso, estão cobertas perdas decorrentes da liquidação extrajudicial da corretora. Atualmente, o fundo que custeia o MRP dispõe de R$ 380 milhões.