Porto Alegre, sexta-feira, 13 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Comércio Exterior

13/12/2018 - 17h34min. Alterada em 13/12 às 17h34min

Superávit comercial deverá cair 38,6% e ficar em US$ 33,8 bi em 2019, diz AEB

O superávit da balança comercial de 2019 deverá atingir US$ 33,757 bilhões, queda de 38,6% ante o resultado esperado para 2018, de US$ 54,951 bilhões, conforme estimativas da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB) divulgadas mais cedo nesta quinta-feira (13).
O superávit da balança comercial de 2019 deverá atingir US$ 33,757 bilhões, queda de 38,6% ante o resultado esperado para 2018, de US$ 54,951 bilhões, conforme estimativas da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB) divulgadas mais cedo nesta quinta-feira (13).
Nas projeções da AEB, as exportações atingirão US$ 220,117 bilhões no próximo ano, sendo US$ 106,190 bilhões em produtos básicos e US$ 110,027 bilhões em industrializados. No total, as exportações terão queda de 7,7%. Já as importações atingirão US$ 186,360 bilhões, alta de 2,1% em relação ao valor registrado em 2018.
Conforme nota divulgada pela AEB, o cenário para 2019 foi traçado levando em conta que "o mundo econômico pode reduzir seu ritmo de crescimento, com eventual impacto negativo direto sobre 65% das exportações do Brasil, representadas pelas commodities, e indiretamente sobre os manufaturados".
A disputa comercial entre China e Estados Unidos "eleva custo de importação, reduz demanda, provoca retração no fluxo comercial e queda nas cotações das commodities".
O eventual aperto no ritmo de elevação da taxa de juros básica dos Estados Unidos, problemas econômicos na Europa (crise na Itália e saída do Reino Unido da União Europeia, por exemplo) e a crise na Argentina são outros pontos negativos para o comércio exterior em 2019.
Além disso, "o PIB da China tem mostrado lenta e contínua queda no seu ritmo de crescimento, aparentemente decorrente de fadiga econômico-financeira em suas províncias", diz a nota da AEB.