Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 07 de dezembro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura Internacional

07/12/2018 - 21h35min. Alterada em 07/12 às 21h35min

Inflação branda poderia levar Fed a fazer pausa nas altas de juros, diz Kudlow

Estadão Conteúdo
Diretor do Conselho Econômico Nacional, Larry Kudlow sugeriu nesta sexta-feira que o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) pode não elevar os juros neste mês, em meio a números mais brandos da inflação. A visão contraria a expectativa majoritária do mercado neste momento.
Nos últimos meses, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, tem criticado o banco central por elevar os juros muito rápido, dizendo que os dirigentes do Fed estão segurando o crescimento. Em entrevista à CNBC nesta sexta-feira, Kudlow disse que não via problemas nas declarações do presidente.
"Eu estou lendo tudo que esses dirigentes do Fed estão dizendo agora, que a taxa de inflação está na verdade caindo um pouco", comentou Kudlow. "A mim me parece que as pessoas do Fed estão sinalizando talvez mais uma alta em dezembro, ainda neste mês, e talvez nenhuma outra durante algum tempo. Ou talvez eles não mexam nela neste mês."
As declarações de Trump e de Kudlow não são algo usual, já que a Casa Branca em geral evita falar sobre a trajetória da política monetária.
Kudlow comentou ainda que prevê que os cortes de tributos federais do ano passado devem se pagar, ao impulsionar o crescimento econômico, o que consequentemente eleva a arrecadação tributária do governo. O presidente busca um corte de 5% nos gastos, com exceção da defesa, apontou Kudlow. Como resultado, o déficit orçamentário deve recuar, previu o economista.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia