Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 07 de dezembro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

07/12/2018 - 19h31min. Alterada em 07/12 às 19h35min

Bolsas de Nova Iorque fecham em baixa com temores sobre comércio e crescimento

Estadão Conteúdo
As bolsas de Nova Iorque tiveram uma sessão fraca nesta sexta-feira (7), com quedas acentuadas na semana, em meio aos temores de tensões no comércio e de menor crescimento global e, especificamente, nos Estados Unidos.
O índice Dow Jones fechou em queda de 2,24%, em 24.388,95 pontos, o Nasdaq recuou 3,05%, a 6.969,25 pontos, e o S&P 500 teve baixa de 2,33%, em 2.633,08 pontos. Na comparação semanal, o Dow Jones caiu 4,50%, o Nasdaq registrou queda de 3,69% e o S&P 500, de 4,60%.
O medo do impacto de tarifas ao comércio sobre a economia americana voltou a pressionar as bolsas, nesta tarde. Companhias que fazem negócios e vendem produtos ao exterior, incluindo as de tecnologia, como Apple (-3,57%), Nvidia (-6,75%) e Intel (-4,40%), e também do setor industrial, como Deere (-4,62%) e Caterpillar (-3,75%), tiveram todas recuos de mais de 3%. O quadro piorou após o diretor do Conselho de Comércio da Casa Branca, Peter Navarro, e o diretor do Conselho Econômico Nacional, Larry Kudlow, falarem ambos em tom crítico à China, sinalizando que haverá uma postura dura com Pequim no período de 90 dias de trégua nas tarifas para que as partes possam negociar as divergências comerciais.
O Dow Jones e o S&P 500 abriram em leve alta, mas pioraram ao longo da sessão. Dados do mercado de trabalho de novembro não fizeram o suficiente para reduzir o temor dos investidores. "A lista de temores é muito, muito longa por esses dias", disse Erik Davidson, diretor de investimentos do Wells Fargo Private Bank, que citou temor sobre o comércio com a China, a saída do Reino Unido da União Europeia (Brexit) e o risco de inversão na curva de juros dos Treasuries, algo visto como sinal de recessão à frente.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia