Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 07 de dezembro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

indústria criativa

Alterada em 07/12 às 18h18min

Desenhista da Disney afirma que 'mercado para os profissionais da área é promissor'

Folhapress
Quer quiser trabalhar com desenho tem um bom horizonte. Assim analisa José Wilson Magalhães, que trabalha para os quadrinhos da Disney e já fez desenhos do Mickey, do Zé Carioca e dos Dick Tales.
Em palestra na CCXP nesta sexta-feira (7), ele afirmou que o campo de trabalho está se expandindo. "Esse tipo de trabalho não está apenas nas editoras. O mundo dos games e da animação está aí com cada vez mais força", opina.
Ele ainda ressalta que há ótimas oportunidades em editoras pequenas. "A crise no mercado editorial abriu espaço para outras empresas. Editoras pequenas, no Brasil e no mundo, têm mostrado excelentes trabalhos."
Magalhães conta que o estudo é importante. "Quem quiser entrar na área deve ter o inglês na ponta da língua e aprender os mais variados programas gráficos. É uma profissão de muita união, portanto fazer contatos pode ajudar muito."
Embora a informática esteja presente, o trabalho manual não deve ser menosprezado. Nem a ousadia. "Cada personagem tem suas características, mas é importante tentar colocar algo a mais. Você pode ouvir um sim ou um não. O importante é tentar."
Magalhães começou no mercado publicitário, mas a paixão pelos quadrinhos falou mais alto. "Eu achava que sabia desenhar até entrar de vez. Aí vi como é desenhar para HQ, que tem técnicas muito específicas, como a arte-finalização", diz ele.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia