Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 29 de novembro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Política Monetária

Edição impressa de 29/11/2018. Alterada em 29/11 às 01h00min

Com mudança ministerial, CMN será reformulado

A composição do Conselho Monetário Nacional (CMN) deverá ser alvo de avaliação e mudança pela nova equipe econômica, liderada por Paulo Guedes. O CMN é formado hoje pelos ministros da Fazenda, Planejamento e pelo presidente do Banco Central (BC).

Com a reforma ministerial em estudo no governo Jair Bolsonaro, os ministérios da Fazenda e do Planejamento serão fundidos, o que vai afetar a funcionalidade do conselho. Guedes teria dois assentos, acabando com a votação dentro do grupo.

É o CMN que define questões relevantes, como a fixação da meta de inflação e as regras de atuação no mercado bancário, por exemplo. Questionado sobre a perda de funcionalidade do CMN, o presidente do BC, Ilan Goldfajn, afirmou que esta será uma decisão do novo governo.

O presidente do BC deverá ficar no cargo por um período de transição, até que o substituto já designado, Roberto Campos Neto, seja sabatinado pelo Senado. A previsão é que Goldfajn fique no cargo até março. Os demais diretores deverão permanecer por mais tempo e o atual diretor de política econômica, Carlos Viana, já sinalizou que ficará um período mais longo.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia