Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 29 de novembro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Agronegócios

Edição impressa de 29/11/2018. Alterada em 29/11 às 01h00min

Mercosul pauta reunião da Federarroz com futura ministra

No encontro, foram discutidos problemas do setor orizícola nacional

No encontro, foram discutidos problemas do setor orizícola nacional


/FEDERARROZ/DIVULGAÇÃO/JC

O presidente da Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz), Henrique Dornelles, esteve reunido ontem com a futura ministra da Agricultura do governo de Jair Bolsonaro (PSL), Tereza Cristina (DEM-MS), juntamente com o deputado federal Covatti Filho (PP-RS).

A principal pauta relacionada foi a das assimetrias do Mercosul. A Federarroz vem trabalhando nos últimos anos de forma a denunciar irregularidades na entrada de arroz dos países vizinhos, especialmente do Paraguai, assim como das diferenças ambientais e tributárias em relação à produção do grão, que prejudicam a competitividade para o produtor brasileiro.

Conforme Dornelles, a futura ministra ouviu com atenção o que o setor tinha a dizer sobre os problemas que vem enfrentando nos últimos anos. "A ministra já nos afirmou que vem sofrendo uma pressão muito forte de Argentina, Uruguai e Paraguai acerca das declarações do novo governo sobre o Mercosul, mas o compromisso principal é o de defender os interesses dos produtores brasileiros", salientou.

O presidente da Federarroz ressaltou que cresceu o ambiente de questionamentos do bloco, sobretudo na instância econômica e, obviamente, as questões relacionadas à agricultura são o principal motivo desta visão. Dornelles reforçou a visão exposta da Federarroz em relação às dificuldades do setor orizícola, sobretudo no que diz respeito ao ambiente econômico e comercial.

Dornelles afirmou também que existe uma expectativa de uma mudança muito profunda no Ministério da Agricultura em questões fundamentais, como sanidade e comércio exterior. Além do encontro com a futura ministra e a Câmara Setorial, o presidente da Federarroz cumpriu agenda com senadores e deputados, além de reunião no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). O dirigente se encontrou também com o atual ministro da Agricultura, Blairo Maggi, e o assunto abordado foi a questão de fiscalizações de fronteiras.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia