Porto Alegre, sexta-feira, 13 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

mercado financeiro

Notícia da edição impressa de 28/11/2018. Alterada em 28/11 às 01h00min

CVM comunica 100 indícios de crime no mercado

No ano, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) comunicou aos Ministérios Público Federal (MPF) e estaduais (MPE) 100 indícios de crime no mercado de capitais. As infrações que podem ser consideradas crimes incluem manipulação de mercado e uso de informação privilegiada, além de exercício irregular de atividade no mercado financeiro, oferta pública sem registro na CVM e crimes contra a economia popular, como pirâmides financeiras e estelionato.
No ano, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) comunicou aos Ministérios Público Federal (MPF) e estaduais (MPE) 100 indícios de crime no mercado de capitais. As infrações que podem ser consideradas crimes incluem manipulação de mercado e uso de informação privilegiada, além de exercício irregular de atividade no mercado financeiro, oferta pública sem registro na CVM e crimes contra a economia popular, como pirâmides financeiras e estelionato.
Os dados mostram que o número de comunicados entre julho e setembro (35) voltou a subir, depois de uma redução no segundo trimestre do ano. A média mensal, de cerca de 10 comunicados por mês, está em linha com a verificada em 2017, quando a autarquia aumentou em 30% o número de informes ao MP.
A maior parte dos informes são dirigidos ao MPF. Já são 62 no ano na esfera federal. Em nível estadual, a CVM encaminhou 38 comunicados aos MPEs.
As multas aplicadas pela CVM no ano já alcançam R$ 277 milhões. Somadas aos R$ 30 milhões arrecadados em termos de compromissos, a receita do regulador do mercado de capitais apenas com as atividades sancionadoras já supera R$ 307 milhões.