Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 20 de novembro de 2018.
Dia Nacional da Consciência Negra. Dia Universal das Crianças.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

19/11/2018 - 19h09min. Alterada em 19/11 às 19h09min

Ibovespa fecha em queda de 0,69%

Estadão Conteúdo
Sem grandes drivers internos nesta segunda-feira (19), os investidores optaram por se resguardar e realizar lucros na sessão que antecede o feriado desta terça-feira, 20, quando os mercados estão suspensos em São Paulo. Também a sintonia com o mau humor de Nova Iorque fez com que o conjunto das ações que compõem a carteira teórica encerrasse o primeiro pregão da semana majoritariamente em queda. O Ibovespa voltou ao nível dos 87 mil pontos, mas, ainda assim, foi possível manter os ganhos de mais de 4% no acumulado de 30 dias.
No fechamento, o Ibovespa desacelerou o ritmo de queda para um recuo de 0,69%, aos 87.900,03 pontos. O giro financeiro total foi de R$ 11,3 bilhões, incrementado pelo exercício de contratos de opções sobre ações que movimentou R$ 6,490 bilhões - volume um pouco maior do que o vencimento de outubro (R$ 6,1 bilhões).
Segundo Pedro Lima, economista da Toro Investimentos, a afirmação do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) de Nova Iorque, John Williams, de que, em um quadro de fortalecimento da economia americana, o Fed caminha para manter a elevação gradual das taxas de juros e a consequente baixa dos índices americanos ecoou por aqui, principalmente porque o dia é de baixa liquidez e realização de ajustes por conta das altas da última semana.
As notícias em torno da Petrobras ganharam relevo nas negociações. A começar pelo anúncio do futuro presidente, Roberto Castello Branco. As ações da estatal brasileira do petróleo abriram em queda, após leilão que durou quase 20 minutos, para depois virar para o positivo em uma sinalização de aprovação por parte dos agentes de mercado. Ainda na sessão matutina, as ações ordinárias já voltavam a tocar o terreno negativo, influenciadas pela queda do petróleo no mercado internacional.
Também o presidente eleito Jair Bolsonaro declarou agora à tarde que é possível privatizar alguma parte da Petrobras. No final do pregão, sem a presença mais forte dos investidores estrangeiros, os papéis ON encerraram em baixa de 0,07% e os PN em alta de 0,78%.
Outra blue chip que operou na contramão de fatores positivos foi a Vale. Filho, da Um Investimentos, lembra que as ações da mineradora estavam "muito esticadas" e, assim, como algumas de suas correlatas no exterior, refletiram as incertezas com reflexos de Trump e China. As ações da mineradora encerraram a sessão em baixa de 1,39%, muito embora a sua matéria-prima, o minério de ferro, tenha tido alta de 1% no porto de Qingdao, na China.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia