Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 20 de novembro de 2018.
Dia Nacional da Consciência Negra. Dia Universal das Crianças.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

pesquisa

19/11/2018 - 14h40min. Alterada em 19/11 às 14h40min

Menos da metade dos brasileiros tem como levantar dinheiro para emergência

Estadão Conteúdo
Dados divulgados em um relatório do Banco Central mostram que, no ano passado, apenas 46% dos brasileiros declaravam ter condições de, em uma situação de emergência, levantar recursos para fazer frente a despesas. Esse foi o porcentual de pessoas que se julgaram capazes de conseguir pelo menos R$ 1.520 no caso de ocorrer um imprevisto.
Os números, destacados no Relatório de Cidadania Financeira divulgado pelo BC no início do mês, têm como fonte a pesquisa Global Findex 2017, do Banco Mundial. Nela, pessoas do mundo inteiro responderam se podem, em uma emergência, conseguir no mês seguinte pelo menos 1/20 da renda nacional bruta per capita em moeda local - o que, no Brasil, representou R$ 1.520, considerando o Produto Interno Bruto (PIB) per capita de 2016.
O País até melhorou de situação desde a pesquisa anterior: em 2014, o porcentual era de apenas 35%. Mas, em um universo de 144 economias, a média global é de 54%. E entre os países de alta renda, de 74%. Na lista, países como Burkina Faso (57%) e Bangladesh (64%) aparecem em uma situação melhor que a do Brasil.
O retrato da situação brasileira é ainda pior quando se avalia a fonte do dinheiro. Entre os que se disseram capazes de levantar recursos de emergência, 42% disseram ser possível fazer isso por meio de empréstimos com a família ou os amigos. Apenas 14% recorreriam a recursos poupados ao longo do tempo.
Excesso de confiança. Na prática, de cada 100 brasileiros, 46 são capazes de obter recursos extras, sendo que 19 deles recorreriam a familiares e amigos. Apenas seis têm dinheiro próprio, poupado.
"Isso é preocupante", avalia Ricardo Rocha, professor de Finanças do Insper. Para ele, os dados refletem um "excesso de confiança" em relação aos imprevistos, o que é característico da sociedade brasileira.
Rocha reconhece que brasileiros de baixa renda têm mais dificuldade para poupar, mas o problema não se limitaria a eles. "É um padrão, seja entre quem ganha menos, seja entre quem ganha mais. É como vemos no Estado brasileiro, que não tem nenhuma capacidade de poupança", compara.
Os dados do Banco Mundial mostram que, em 2017, apenas 32% dos brasileiros com mais de 15 anos guardaram dinheiro. Detalhe: entraram nesse grupo as pessoas que pouparam alguma quantia - qualquer uma - no ano passado. A média global é de 48% e, nos países de alta renda, o porcentual é de 73%.
No Relatório de Cidadania Financeira, divulgado na semana passada, o Banco Central reconhece que o valor da renda deve ser levado em consideração, mas ressalta que ele não é determinante para que os cidadãos deixem de poupar. Fatores ligados à cultura, à educação e à comunicação, entre outros, também importam.
O educador financeiro Mauro Calil, autor do livro Separe uma Verba para Ser Feliz, afirma que falta ao brasileiro "poupança, organização financeira e cultura para poupar".
"O valor de R$ 1.520 equivale a um salário mínimo e meio. É muito pouco. Estamos falando de R$ 127 poupados em 12 meses", pontuou Calil. Segundo ele, boa parte dos brasileiros poderia formar esse colchão de emergência apenas usando o 13.º salário, mas o dinheiro muitas vezes é direcionado apenas ao consumo.
"Falo sempre em palestras: você se lembra quando ganhava metade do que ganha hoje e dizia que, se ganhasse o dobro, seria rico? Pois é. Hoje você ganha o dobro", exemplifica o educador financeiro. "O que acontece é que você estica o elástico do consumo." 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia