Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 09 de novembro de 2018.
Dia do Hoteleiro.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Comércio Exterior

Edição impressa de 09/11/2018. Alterada em 09/11 às 01h00min

Tereza Cristina quer solução para impasse com árabes

Futura ministra da Agricultura se reúne com Bolsonaro na terça-feira

Futura ministra da Agricultura se reúne com Bolsonaro na terça-feira


/ANTONIO CRUZ/ABR /JC

A deputada federal Tereza Cristina (DEM-MS), indicada para o Ministério da Agricultura do governo de Jair Bolsonaro, afirmou na tarde desta quinta-feira que há pressa para resolver o imbróglio sobre a exportação de carnes brasileiras para países árabes e que o comércio exterior será uma das prioridades de sua gestão. Ela também afirmou que a Pesca e a Agricultura Familiar podem ser unificadas em sua nova pasta, mas que o presidente eleito ainda não "bateu o martelo".

Recém-indicada para o cargo, ela afirmou que está começando a tomar conhecimento da estrutura e do funcionamento do ministério e que terá uma conversa com Bolsonaro na próxima terça-feira para definir os principais pontos da gestão. Tereza participou nesta quinta de uma reunião geral do grupo de transição.

"Acho que temos alguns pontos muito importantes, principalmente a parte de comércio exterior. Os convênios, os acordos bilaterais que temos que ver, o posicionamento do problema do mercado de carnes, que é um mercado importantíssimo para o nosso País", afirmou Tereza, ao ser questionada sobre suas prioridades.

Questionada sobre a situação dos países árabes, grandes consumidores de carne do Brasil e que podem vir a retaliar o Brasil caso o governo Bolsonaro decida por transferir a embaixada brasileira em Israel de Tel Aviv para Jerusalém, ela disse que ainda precisa discutir mais o assunto.

"Acho que isso tem que ter diálogo, a gente tem que pesar, colocar na mesa, não conversei ainda (com Bolsonaro). Minha conversa hoje com o presidente foi muito rápida. Este governo ainda não indicou o ministro das Relações Exteriores, será muito importante para essas conversações, então preciso sentar e refletir, não tenho todas as perguntas que vocês têm para mim na ponta da língua", afirmou.

Ao ser indagada se o tema não exige pressa para ser resolvido, ela respondeu que o tem até o dia 30 de dezembro para que o novo governo seja montado. "Que a gente ouça muito, conheça o governo e aí a gente começa. Acho que a pressa é inimiga da perfeição", disse.

Presidente da Frente Parlamentar Agropecuária (FPA), Tereza Cristina disse ser favorável à votação da reforma da Previdência ainda neste ano, mas ressaltou que o assunto ainda está sendo discutido na FPA. Ainda segundo ela, a bancada ruralista deve conversar com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, para discutir quais projetos o setor pode votar ainda neste ano. As alterações no marco legal do licenciamento ambiental são uma das prioridades do grupo.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia