Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 08 de novembro de 2018.
Dia do Aposentado.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

agronegócios

08/11/2018 - 10h45min. Alterada em 08/11 às 10h45min

IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018

Agência Brasil
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta quinta-feira (8) sua primeira estimativa para a safra de cereais, leguminosas e oleaginosas de 2019. Segundo o prognóstico, a safra deverá ser 0,2% menor que a 2018, que deve ter uma queda de 5,6% em relação a 2017. Em números absolutos, espera-se que a produção em 2019 chegue a 226,7 milhões de toneladas, abaixo das 227,2 milhões de toneladas previstas para 2018.
Segundo o IBGE, o recuo de 0,2% de 2018 para o ano que vem será puxado por quedas em quatro regiões: regiões Norte (-0,3%), Nordeste (-8,8%), Sudeste (-1,9%) e Centro-Oeste (-1,4%). Apenas a região Sul deverá ter alta: 4,1%. Quatro das seis principais lavouras de grãos deverão ter recuo de produção no ano que vem: trigo (-12,5%), algodão herbáceo em caroço (-2,8%), arroz em casca (-4,2%) e soja em grão (-1%). São esperadas altas de 0,3% na safra do feijão e de 2,6% no milho em grão.
A safra de 2018 ainda não foi fechada e, assim, o IBGE tem apenas uma estimativa do que será a produção deste ano, com base no que já foi colhido nos dez primeiros meses do ano e no que se espera para novembro e dezembro. Segundo a estimativa de safra de 2018, feita em outubro, o ano fechará com queda de 5,6% em relação a 2017.
Dos seis principais produtos, deverão ter alta a soja (2,4%), algodão (28,4%) e o trigo (37%). São esperadas quedas de 17,9% para o milho, de 5,6% para o arroz e de 9,6% para o feijão.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia