Porto Alegre, sábado, 14 de março de 2020.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Política Monetária

Notícia da edição impressa de 07/11/2018. Alterada em 07/11 às 01h00min

Incertezas para a economia diminuem, diz ata do Copom

Texto destacou a redução de preços de ativos como o dólar

Texto destacou a redução de preços de ativos como o dólar


KAREN BLEIER/KAREN BLEIER/AFP/JC

Após as eleições, o Banco Central (BC) destacou que diminuíram as incertezas para a economia brasileira, com redução de preços de ativos, como o dólar. A afirmação consta na ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC), divulgada ontem. Na última semana, o comitê decidiu manter a taxa básica de juros, a Selic, em 6,5% ao ano.

Após as eleições, o Banco Central (BC) destacou que diminuíram as incertezas para a economia brasileira, com redução de preços de ativos, como o dólar. A afirmação consta na ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC), divulgada ontem. Na última semana, o comitê decidiu manter a taxa básica de juros, a Selic, em 6,5% ao ano.

"Essa diminuição de incertezas contribuiu para redução do grau de assimetria no balanço de riscos para a inflação. Não obstante essa melhora, os membros do Copom concluíram que os riscos altistas para a inflação seguem com maior peso em seu balanço de riscos", diz a ata.

No "balanço de riscos", o Copom considera que o nível de ociosidade elevado da economia pode reduzir a inflação. Por outro lado, "uma frustração das expectativas sobre a continuidade das reformas e ajustes necessários na economia brasileira" pode elevar a inflação. "Esse risco se intensifica no caso de deterioração do cenário externo para economias emergentes (como o Brasil)", acrescentou.

Na ata, o Copom avaliou ainda que a conjuntura recomenda flexibilidade para a condução da política monetária (definição da taxa Selic). Por isso, optou por não sinalizar qual será seu próximo passo em relação à Selic.

"Os membros do Copom reforçaram a importância de enfatizar seu compromisso de conduzir a política monetária visando manter a trajetória da inflação em linha com as metas. Isso requer a flexibilidade para ajustar gradualmente a condução da política monetária quando e se houver necessidade", destaca.

Segundo a ata, a inflação acumulada em 12 meses deve subir e atingir seu pico por volta do segundo trimestre de 2019. "A partir de então, a inflação acumulada em 12 meses deverá recuar ao longo do resto de 2019, em direção à meta", acrescenta.

A meta de inflação, que deve ser perseguida pelo BC, é 4,5% este ano. Essa meta tem limite inferior de 3% e superior de 6%. Para 2019, a meta é 4,25% com intervalo de tolerância entre 2,75% e 5,75%.

O Copom também avaliou o repasse da variação da cotação do dólar para os preços da economia.

De acordo com a ata, "com exceção de alguns preços administrados, o nível de repasse tem se mostrado contido".

"(Os membros do Copom) ponderaram, entretanto, que a intensidade do repasse de movimentos no câmbio para a inflação depende de vários fatores, como, por exemplo, o nível de ociosidade da economia e da ancoragem das expectativas de inflação", diz a ata.