Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 31 de outubro de 2018.
Dia das Bruxas.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Varejo

Edição impressa de 31/10/2018. Alterada em 31/10 às 01h00min

Abras prevê alta de 10% nas vendas neste Natal

Vendas de produtos natalinos cresceu apenas 5,58% no ano passado

Vendas de produtos natalinos cresceu apenas 5,58% no ano passado


/PATRÍCIA COMUNELLO /ESPECIAL/JC

As redes de supermercados estão mais otimistas com o Natal deste ano em comparação a 2017. A Associação Brasileira de Supermercados (Abras) projeta que as vendas de fim de ano no setor devem subir 10,27% em termos nominais, estimativa mais favorável do que no ano passado.

Em 2017, a Abras havia projetado crescimento de 8,34% nas vendas de Natal e o resultado de fato registrado nas vendas em dezembro foi de 5,58%.

Para o presidente da Abras, João Sanzovo Neto, o maior otimismo está associado a uma expectativa de recuperação da confiança dos consumidores após o período eleitoral, que foi de maior incerteza.

A expectativa mais favorável dos varejistas deve se refletir ainda na contratação de funcionários temporários. Segundo o levantamento da Abras, 33% das empresas devem contratar temporários ante um percentual de 23% que declararam intenção de contratar para esse período de festas no ano passado.

O presidente da Abras avaliou que os empresários de forma geral têm uma expectativa positiva com relação ao governo do presidente eleito, Jair Bolsonaro. "Empresários são a favor de uma visão liberal na economia e o que se ouviu durante a campanha vem nessa direção", acrescentou.

Ele avaliou que se espera uma evolução em temas como as reformas da Previdência, Tributária e Política. O executivo ainda considerou que a confiança de empresários e consumidores tende a aumentar, agora que o período eleitoral se encerrou. "O processo de eleição foi bastante apreensivo, gerou conflitos. Essa apreensão deve aliviar agora", concluiu.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia