Porto Alegre, sábado, 14 de março de 2020.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

mercado financeiro

30/10/2018 - 01h03min. Alterada em 30/10 às 01h00min

Após eleição, Ibovespa cai 2,24% e dólar sobe

O primeiro pregão do mercado brasileiro de ações após a eleição de Jair Bolsonaro (PSL) para a presidência do País foi de intensa volatilidade. O Índice Bovespa iniciou o dia indicando otimismo e chegou a subir mais de 3% pela manhã. No entanto, a aversão ao risco no mercado internacional levou a uma forte correção. Ao final da sessão, o Ibovespa ficou em 83.796 pontos, queda de 2,24%.
O primeiro pregão do mercado brasileiro de ações após a eleição de Jair Bolsonaro (PSL) para a presidência do País foi de intensa volatilidade. O Índice Bovespa iniciou o dia indicando otimismo e chegou a subir mais de 3% pela manhã. No entanto, a aversão ao risco no mercado internacional levou a uma forte correção. Ao final da sessão, o Ibovespa ficou em 83.796 pontos, queda de 2,24%.
Na análise por ações, estiveram entre as principais quedas do dia as blue chips relacionadas a commodities, como Vale ON (-4,50%) e Petrobras ON e PN (-3,60% e 4,28%). As ações dos bancos caíram em bloco. Mesmo com o resultado desta segunda, o Ibovespa ainda acumula ganho de 5,61% em outubro.
Após o dólar cair quase 10% no mês até a sexta-feira antes das eleições, os investidores tiraram o dia para ajustar as cotações e realizar lucros, seguindo a confirmação da vitória de Jair Bolsonaro (PSL). O mercado externo mais adverso ajudou o movimento e a moeda norte-americana bateu máximas na parte da tarde. O dólar à vista fechou o dia em alta de 1,36%, a R$ 3,7022. Foi a maior variação desde o dia 11 de setembro, quando a moeda subiu 1,77%.
.