Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 27 de outubro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

negócios corporativos

Alterada em 27/10 às 14h20min

Camil compra SLC Alimentos por cerca de R$ 308 milhões

Estadão Conteúdo
A Camil Alimentos fechou a compra da SLC Alimentos, que atua na industrialização e comercialização de arroz, feijão e lentilha, além de exportar para mais de 20 países, com destaque para a marca "Namorado" no mercado de arroz e feijão no País. O preço de aquisição é de R$ 180 milhões, e a empresa assumirá o endividamento da SLC Alimentos da ordem de R$ 128 milhões em 31 de dezembro de 2017, totalizando a operação o valor de cerca de R$ 308 milhões.
O faturamento líquido da SLC Alimentos atingiu R$ 512 milhões e Ebitda de R$ 32 milhões em 31 de dezembro de 2017, segundo a Camil informou em fato relevante.
"A aquisição vem ao encontro dos objetivos estratégicos da companhia de aquisições de marcas e ativos no setor de alimentos na América do Sul. A Camil possui um histórico consistente de crescimento e ampliação de participação de mercado por meio de aquisições", diz a empresa. A companhia ressalta ainda que esta operação é um passo importante para a consolidação do mercado brasileiro de grãos, representando uma oportunidade de crescimento nas regiões Sul, Sudeste e Nordeste do Brasil, e que adiciona ao seu portfólio marcas com relevância de mercado.
A empresa diz ainda que a operação não atende aos requisitos da Lei das SA e, portanto, não está sujeita à aprovação dos acionistas em assembleia geral da Camil.
A conclusão da transação está sujeita a algumas condições, incluindo a aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia