Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 26 de outubro de 2018.
Dia do Trabalhador da Construção Civil. Dia da Democracia.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Imobiliário

Edição impressa de 26/10/2018. Alterada em 26/10 às 01h00min

Agosto tem menos vendas e mais lançamentos no País

Recuo na comercialização de imóveis no mês foi puxado por todos os setores, segundo a Abrainc

Recuo na comercialização de imóveis no mês foi puxado por todos os setores, segundo a Abrainc


Fernando Frazão/FERNANDO FRAZÃO/ABR/JC
Os lançamentos de imóveis cresceram em agosto no País, mas as vendas sofreram baixa, de acordo com pesquisa da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) feita em parceria com a Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc). Os lançamentos em agosto de 2018 totalizaram 5.891 unidades, alta de 18,3% na comparação com o mesmo mês de 2017. Este foi o melhor resultado para o mês em toda a série histórica, iniciada em 2014. No acumulado de janeiro a agosto deste ano, os lançamentos totalizaram 51.004 unidades, aumento de 21% frente ao mesmo período do ano passado.
O crescimento do mercado no mês foi puxado pelo segmento de imóveis populares, enquadrados no Minha Casa Minha Vida (MCMV), onde os lançamentos totalizaram 4.826 unidades, uma alta de 61,0%. Por sua vez, o segmento de imóveis de médio e alto padrão alcançou 1.065 unidades, baixa de 24,0%. As vendas líquidas (já descontados os distratos) de imóveis novos em agosto totalizaram 7.465 unidades, uma queda de 3,4% em relação ao mesmo mês do ano passado. Já no acumulado de janeiro a agosto deste ano, as vendas líquidas totalizaram 54.604 unidades, expansão de 22,4%.
O recuo das vendas no mês foi visto em todos os setores. No segmento popular, enquadrado no MCMV, as vendas foram de 5.425 unidades, retração de 4,4%. E no segmento de imóveis de médio e alto padrão, as vendas chegaram a 1.938 unidades, queda de 1,5%. Os cancelamentos de vendas (distratos) consolidados totalizaram 2.614 unidades em agosto (alta de 4,8%) e chegaram a 19.540 unidades no ano (queda de 15,1%). No fim de agosto, o mercado imobiliário contava com 116.366 unidades novas disponíveis para venda, montante 1,6% menor do que o registrado um ano antes. Considerando o ritmo atual de vendas, seriam necessários 14,6 meses para liquidar esse estoque. Os dados da pesquisa abrangem imóveis novos (na planta, em obras e recém-construídos) dos segmentos residencial, comercial e loteamentos, desenvolvidos por 20 empresas associadas à Abrainc, com atuação espalhada pelo País e concentração na região Sudeste.
 

Financiamento imobiliário atinge R$ 4,91 bilhões em setembro

Os financiamentos no País para compra e construção de moradias, com recursos das cadernetas de poupança, atingiram R$ 4,91 bilhões em setembro, redução de 13,3% em relação a agosto e alta de 44% comparativamente a setembro do ano passado.
No acumulado do ano até setembro, foram financiados R$ 40,8 bilhões, montante 25% superior ao observado em igual período de 2017. Nos 12 meses compreendidos entre outubro de 2017 e setembro de 2018, foram aplicados R$ 51,32 bilhões, elevação de 12,4% em relação ao apurado nos 12 meses precedentes.
Em relação ao número de imóveis, foram financiadas 20,7 mil unidades em setembro, resultado 8,1% menor que o de agosto e alta de 43,4% frente a setembro do ano passado. Nos primeiros nove meses de 2018, foram financiados 162,10 mil imóveis, alta de 23% em relação ao mesmo período de 2017. Nos últimos 12 meses até setembro, o financiamento imobiliário propiciou a aquisição e a construção de 205,9 mil imóveis, crescimento de 12,2% comparativamente aos 12 meses precedentes.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia