Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 25 de outubro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

tecnologia

Edição impressa de 25/10/2018. Alterada em 25/10 às 08h46min

Lucro da Microsoft sobe para US$ 8,82 bilhões no 1º trimestre

A Microsoft apresentou lucro líquido de US$ 8,824 bilhões no primeiro trimestre fiscal, uma alta de 34% em relação ao ganho de US$ 6,576 bilhões registrado no mesmo período do ano passado. O lucro líquido por ação subiu 36% na mesma base comparativa, passando de US$ 0,84 para US$ 1,14. O resultado superou a expectativa de analistas consultados pela FactSet, que esperavam lucro de US$ 0,96 por ação.
A receita também registrou avanço, porém menor: entre julho e setembro de 2017, foi de US$ 24,538 bilhões, passando para US$ 29,084 bilhões entre julho e setembro deste ano - uma alta de 19% na comparação entre os dois períodos. Os resultados também foram maiores do que os estimados pela FactSet, cujos analistas apontavam para receita a US$ 27,88 bilhões.
A receita da área de nuvem inteligente avançou 24% entre julho e setembro na comparação com o mesmo período de 2017, para US$ 8,6 bilhões. A receita de produtos de servidor e serviços em nuvem aumentou 28%, impulsionada pelo salto de 76% das vendas da Azure, plataforma destinada à execução de aplicativos e serviços em nuvem.
A receita no segmento de computação pessoal da Microsoft (Windows, telefonia móvel e jogos) cresceu 15% sobre o mesmo período de 2017, para US$ 10,7 bilhões. Já a receita do LinkedIn avançou 33% em relação ao período entre julho e setembro de 2017.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia