Porto Alegre, sábado, 14 de março de 2020.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

varejo

24/10/2018 - 01h20min. Alterada em 24/10 às 01h00min

Pesquisa da Fecomércio-RS mostra que incerteza ainda afeta consumo

Chegada das festas de fim de ano deve aquecer as vendas no comércio

Chegada das festas de fim de ano deve aquecer as vendas no comércio


SANDY HUFFAKER/SANDY HUFFAKER/GETTY IMAGES/AFP/JC
A Intenção de Consumo das Famílias (ICF) atingiu 84,5 pontos em outubro, o maior índice desde meados de 2015, segundo levantamento da Fecomércio-RS. Na comparação com 2017, foi registrada uma alta de 12,9% no ICF. A recuperação, ainda que lenta, segue acontecendo, e há expectativa de melhorar após as eleições, avalia o presidente da Fecomércio-RS, Luiz Carlos Bohn. "A instabilidade por vezes provoca nas famílias um efeito que chamamos de adiamento nas decisões de consumo. As empresas também seguram as contratações. Mas contamos com uma mudança positiva neste cenário após o fim do pleito", diz.
A Intenção de Consumo das Famílias (ICF) atingiu 84,5 pontos em outubro, o maior índice desde meados de 2015, segundo levantamento da Fecomércio-RS. Na comparação com 2017, foi registrada uma alta de 12,9% no ICF. A recuperação, ainda que lenta, segue acontecendo, e há expectativa de melhorar após as eleições, avalia o presidente da Fecomércio-RS, Luiz Carlos Bohn. "A instabilidade por vezes provoca nas famílias um efeito que chamamos de adiamento nas decisões de consumo. As empresas também seguram as contratações. Mas contamos com uma mudança positiva neste cenário após o fim do pleito", diz.
Os consumidores mantiveram uma melhora gradativa em relação à sua situação de emprego. Esse indicador que mede as condições do mercado de trabalho segue avançando, e em outubro registrou 106,8 pontos, com um aumento de 1,1% na comparação com o mês anterior. A avaliação quanto à situação de renda atual atingiu 102,8 pontos, aumentando 37,5% em relação a outubro de 2017. Este indicador não apresentava um valor otimista desde abril de 2015 e avançou 4,0% em relação a margem. "A perspectiva é que a inflação permaneça baixa, ficando próxima da meta, que é de 4,5% ao ano. A melhora no câmbio e o fim dos efeitos provocados pela greve dos caminhoneiros nos preços colaboraram com a melhora desse índice."
O nível de consumo das famílias registrou em outubro o melhor valor desde novembro de 2014 - 104,01 pontos. Frente ao mês anterior, o indicador teve alta de 9,8%. Mesmo com leve melhora na economia, as famílias ainda encontram dificuldades para acesso ao crédito. O indicador que mede esta questão chegou a 58 pontos, o que mostra uma baixa de 16% em relação a outubro de 2017. O indicador que avalia o momento para o consumo de bens duráveis também diminuiu em relação ao ano anterior e alcançou 58,8 pontos. Por conta de todas as incertezas que rondam o País, as famílias não vislumbram grandes mudanças profissionais. O indicador de perspectiva profissional alcançou 70,5 pontos em outubro, com uma queda de 13,8% em relação a outubro de 2017.
A perspectiva de consumo das famílias subiu 15,8% em relação a outubro de 2017, aos 90,8 pontos. O mostra que as famílias gaúchas enxergam um cenário um pouco melhor para o final do ano. "O cenário atual de recuperação da atividade econômica e seus efeitos é melhor do que em 2017. Assim, há maior expectativa de aumento no consumo, especialmente com a chegada das festas de final de ano", diz Bohn.