Porto Alegre, sábado, 14 de março de 2020.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

mercado financeiro

19/10/2018 - 08h01min. Alterada em 19/10 às 08h01min

Bolsas asiáticas fecham majoritariamente em alta, com rali na China

As bolsas asiáticas fecharam majoritariamente em alta nesta sexta-feira (19), com destaque para as chinesas, que embarcaram num rali à medida que autoridades de Pequim se esforçaram de maneira coordenada para tranquilizar investidores após a divulgação de números de crescimento econômico abaixo do esperado.
As bolsas asiáticas fecharam majoritariamente em alta nesta sexta-feira (19), com destaque para as chinesas, que embarcaram num rali à medida que autoridades de Pequim se esforçaram de maneira coordenada para tranquilizar investidores após a divulgação de números de crescimento econômico abaixo do esperado.
Tanto o Xangai Composto quanto o menos abrangente Shenzhen Composto, os dois principais índices acionários da China, tiveram idêntica valorização de 2,58% hoje. O primeiro encerrou o pregão a 2.550,47 pontos e o segundo, a 1.263,81 pontos.
Os mercados chineses haviam iniciado os negócios no vermelho, em reação à última leva de indicadores econômicos do gigante asiático. O Produto Interno Bruto (PIB) da China decepcionou no terceiro trimestre ao registrar expansão anual de 6,5%, a mais fraca desde o começo de 2009, época da crise financeira mundial. Analistas previam avanço um pouco maior, de 6,6%, e o resultado também veio abaixo do ritmo de crescimento do segundo trimestre, de 6,7%.
As bolsas chinesas, no entanto, se recuperaram depois de comentários de autoridades que se esforçaram para acalmar investidores. O maior impulso veio após o vice-primeiro-ministro da China, Liu He, considerado o guru econômico do presidente Xi Jinping, pedir confiança na perspectiva econômica do país. Antes dele, os chefes dos três principais órgãos regulatórios financeiros chineses já haviam divulgado comunicados na mesma linha.
Outros dados da economia chinesa vieram mistos, com a produção industrial aumentando mais do que se previa e as vendas no varejo e os investimentos em ativos fixos superando as expectativas.
Desde o começo do ano, porém, o Xangai Composto acumula perdas de 23%, mostrando o pior desempenho entre os principais índices acionários do mundo. Já o mercado menor de Shenzhen, onde são negociadas muitas empresas de tecnologia, apresenta desvalorização de 33% em 2018.
Em outras partes da Ásia, o Hang Seng subiu 0,42% em Hong Kong hoje, a 25.561,40 pontos, e o sul-coreano Kospi avançou 0,37% em Seul, a 2.156,26 pontos, mas o japonês Nikkei caiu 0,56% em Tóquio, a 22.532,08 pontos, e o Taiex cedeu 0,35% em Taiwan, a 9.919,26 pontos. Ao longo da semana, Hang Seng, Kospi, Nikkei e Taiex recuaram 0,9%, 0,3%, 0,7% e 1,3%, respectivamente.
Na Oceania, a bolsa australiana teve baixa marginal de 0,05% hoje, com o índice S&P/ASX 200 a 5.939,50 pontos, mas terminou a semana com ganho de 0,7%, o primeiro neste mês.