Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 19 de outubro de 2018.
Dia do Profissional de Informática. Dia da Inovação.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

consumo

Edição impressa de 19/10/2018. Alterada em 19/10 às 01h00min

Intenção de consumo volta a cair em outubro

Indicador da CNC está há 42 meses em patamar desfavorável

Indicador da CNC está há 42 meses em patamar desfavorável


/FREEPIK.COM/DIVULGAÇÃO/JC

Depois de dois meses de alta, a intenção de consumo das famílias voltou a cair em outubro. O Índice de Intenção de Consumo das Famílias (ICF) registrou queda de 0,3% e está no mesmo nível de junho. Na avaliação da Confederação Nacional do Comércio (CNC), responsável pelo acompanhamento, 2018 se caracteriza pela volatilidade do consumo, decorrente da conjuntura de lenta recuperação do mercado de trabalho, elevado endividamento, alta do dólar, reajuste de tarifas.

Na comparação com outubro de 2017, o ICF ainda registra alta de 11,3%. Para a CNC, esse resultado indica que a distribuição de recursos dentro do orçamento pode estar melhor do que no ano passado, apesar da insatisfação. Mesmo assim, a comparação das expectativas dos consumidores ano contra ano, ou seja, com menor impacto da sazonalidade, também piorou. Em setembro, a intenção de consumo em relação ao mesmo mês do ano anterior era de 13,2%.

Com o resultado, ICF completa 42 meses abaixo dos 100 pontos, nível de corte para o indicador ser considerado favorável ou desfavorável. Segundo a CNC, entre os subíndices que compõem a ICF, o de Momento para Duráveis foi o que mais retrocedeu em relação ao mês anterior (-3,3%), seguido pelo de Perspectiva de Consumo (-1,2%), Compra a Prazo (-0,3%) e Perspectiva Profissional (-0,1%). Três indicadores ficaram praticamente estáveis: Renda Atual ( 0,1%), Nível de Consumo Atual ( 0,3%) e Emprego Atual ( 0,1%).

Conforme o economista da CNC Antonio Everton, a análise mostra que a elevação do subíndice Renda Atual pode ter sido influenciada pelo impacto da liberação dos recursos do PIS/Pasep. "Também pode-se considerar que a renda tenha crescido em virtude de ganhos adicionais decorrentes de trabalhos extras, como meios para aumentar o orçamento", observa Antonio Everton.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia