Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 11 de outubro de 2018.
Dia Internacional do Combate à Obesidade.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Combustível

Edição impressa de 11/10/2018. Alterada em 11/10 às 01h00min

Querosene de aviação do Salgado Filho é um dos mais caros do País

O querosene de aviação (QAV) disponível para abastecer o aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre, é um dos mais caros do Brasil, com o litro custando, em média, US$ 1,32 em voos domésticos, segundo o Panorama 2017 da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear), conjunto de dados e análises da aviação comercial brasileira.
Para se ter uma ideia da diferença de custos do QAV no Brasil e no mercado externo, na Austrália, por exemplo, o insumo é vendido a US$ 1,03 e US$ 1,07 nos aeroportos de Sydney e Camberra, respectivamente. O combustível do aeroporto gaúcho é 23% mais caro que em Camberra e 28% superior a Sydney, indica levantamento da Abear.
"É importante ressaltar que há uma diferença muito grande entre essas comparações: o Brasil é o único país que tem cobrança de um imposto regional, no nosso caso o ICMS, sobre o querosene de aviação, cuja alíquota varia de 12% a 25%, dependendo do estado. Isso encarece a operação de voos domésticos de forma significativa", ressalta Eduardo Sanovicz, presidente da Abear.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia