Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 26 de setembro de 2018.
Dia Nacional dos Surdos.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

indústria

Edição impressa de 26/09/2018. Alterada em 26/09 às 01h00min

Confiança do industrial do setor eletroeletrônico recua

A confiança do empresário industrial do setor eletroeletrônico recuou 2,4 pontos de agosto para setembro. Segundo dados da Confederação Nacional da Indústria (CNI) agregados pela Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee), o Índice de Confiança do Empresário Industrial (Icei) caiu de 54,1 pontos em agosto para 51,7 pontos.
Apesar da queda, o Icei do setor permanece acima 50 pontos, linha limite entre confiança e desconfiança. O indicador permanece abaixo do registrado nos primeiros meses deste ano, quando estava por volta de 60 pontos, e também 5,4 pontos abaixo do apontado em setembro do ano passado, quando o Icei estava em 57,1 pontos.
"Diante do cenário de incertezas, por conta das eleições, essa oscilação é esperada pelo setor. Entretanto, o índice ainda demonstra sinais de confiança, o que é importante para a sequência do ano", diz o presidente da Abinee, Humberto Barbato.
A redução do Icei ocorreu tanto na área elétrica, que diminuiu de 53,7 para 50,9 pontos, como na área eletrônica, que caiu de 54,6 para 52,5 pontos, comparados ao mês imediatamente anterior. Nos dois casos, no entanto, os índices ficaram acima da linha de 50 pontos.
O Icei varia de 0 a 100 pontos, sendo que valores acima de 50 pontos indicam confiança do empresário industrial e abaixo de 50 pontos mostram falta de confiança.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia