Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 21 de setembro de 2018.
Dia da Árvore. Dia do Radialista e do Fazendeiro.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Trabalho

Edição impressa de 21/09/2018. Alterada em 21/09 às 01h00min

Metade dos eleitores prefere ser autônomo

Quem tem carteira assinada também sofre deduções mensais no salário

Quem tem carteira assinada também sofre deduções mensais no salário


/MARCO QUINTANA/JC
Metade dos eleitores brasileiros afirma preferir ser autônomo, com salários mais altos e pagando menos impostos, ainda que sem benefícios trabalhistas, aponta pesquisa do Datafolha. Os que disseram preferir atuar como assalariado registrado, pagando mais tributo, mas com benefícios trabalhistas, somaram 43%. Outros 7% não opinaram.
O trabalhador com carteira assinada tem direito a benefícios como 13º salário e férias remuneradas, mas também deduções, como a contribuição mensal ao INSS, de 8% a 11%, dependendo do salário. A empresa, além de também recolher a contribuição previdenciária equivalente a 20% da folha de pagamento, precisa efetuar o recolhimento ao FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) do funcionário, equivalente a 8% de seu salário bruto.
O trabalho autônomo foi regulamentado pela nova lei trabalhista, em vigor desde novembro do ano passado.No recorte por grau de instrução e por renda familiar mensal, a preferência por ser autônomo cresce conforme aumenta a escolaridade e a renda mensal do entrevistado. Em relação às faixas etárias, a modalidade de autônomo também predomina, exceto na faixa entre 45 e 59 anos, em que as duas formas de contratação aparecem com 47% cada.
A pesquisa mostra, ainda, que a preferência por uma vaga com base na Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) só predomina entre os indivíduos que se declaram pretos - 48% -, contra 45% que preferem ser autônomos, na comparação com autodeclarados brancos, pardos, amarelos e indígenas. A taxa de preferência por ser autônomo é mais alta entre os que, atualmente, já atuam na modalidade (69%), os profissionais liberais (73%) e os empresários (74%).
Por outro lado, a preferência por ser CLT é maior entre os que já são assalariados registrados (55%) e os desempregados que estão procurando emprego (53%). O desempregado que não está em busca de uma recolação - ou seja, que está no chamado desalento - fica dividido, com 46% da preferência por cada modalidade.
O contingente de pessoas que desistiram de buscar uma colocação somava 4,818 milhões no trimestre encerrado em julho, número recorde para a pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) iniciada em 2012.
A taxa de desemprego no País ficou em 12,3% no período, abaixo do verificado no trimestre encerrado em abril, quando esteve em 12,9%, ainda segundo o IBGE.
Quando analisadas as respostas dos entrevistados de acordo com sua intenção de voto para presidente, considerando os cinco candidatos com melhor posição na última pesquisa Datafolha, os eleitores de Jair Bolsonaro (PSL) são os que têm preferência maior por serem autônomos (60%).
Já os que se dizem eleitores de Ciro Gomes (PDT) registraram a maior taxa de opção pelo emprego CLT (51%). O levantamento do Datafolha, feito nos dias 18 e 19 de setembro de 2018, realizou 8.601 entrevistas presenciais com eleitores, em 323 municípios, de todas as regiões do País. A margem de erro máxima é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos, para o total da amostra.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia