Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 14 de setembro de 2018.
Aniversário da cidade de Viamão.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Negócios Corporativos

Edição impressa de 14/09/2018. Alterada em 14/09 às 01h00min

Fibria confirma a aprovação de fusão com a Suzano em assembleia

Operação consolida as duas maiores empresas de celulose do País

Operação consolida as duas maiores empresas de celulose do País


/FIBRIA/DIVULGAÇÃO/JC

Em fato relevante divulgado nesta quinta-feira, a Fibria confirmou que a Assembleia Geral Extraordinária (AGE) de acionistas aprovou a fusão entre as companhias. Na AGE da Suzano, também foi aprovada a operação.

Segundo fontes, o voto dos controladores Votorantim e Bndes foi decisivo, já que 55% dos minoritários ficaram contra a modelagem que os obriga a vender as ações que detêm na empresa.

Dois dos maiores minoritários, os fundos de pensão da Petrobras (Petros) e do Banco do Brasil (Previ), votaram contra o negócio. Como não se posicionaram ao lado de outros minoritários na tentativa de fazer a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) considerar a modelagem ilegal, havia dúvida se eles votariam na AGE com o governo, que tem interesse na operação, que injetará cerca de R$ 8,4 bilhões no caixa do Bndes.

Os minoritários analisam que medidas tomarão. Além da alegação de ilegalidade da operação, fontes explicam que é possível que alguns busquem o ressarcimento pelos prejuízos causados em decorrência da modelagem. É que a obrigatoriedade de venda das ações implicará desconto de até 22% de Imposto de Renda (IR), o que não aconteceria se fosse feita a troca de ações da Fibria por da Suzano.

Segundo a Fibria, os acionistas que votaram contra ou se abstiveram na assembleia terão direito de retirada, que vale desde o dia 26 de julho, quando foi celebrado o acordo, até a data da consumação da operação. Eles poderão manifestar a opção de exercer esse direito no prazo de 30 dias após a publicação da ata da AGE.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia