Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 11 de setembro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Sistema Financeiro

Edição impressa de 11/09/2018. Alterada em 11/09 às 01h00min

Brasil e Hong Kong assinam acordo de cooperação na área de fintech

A Autoridade Monetária de Hong Kong (HKMA) e o Banco Central do Brasil (BC) assinaram acordo de cooperação para reforçar a colaboração entre os bancos na área de fintech (empresas de tecnologia que atuam no setor financeiro).
"Especificamente, o acordo procura incentivar e permitir a inovação em serviços financeiros em ambos os mercados e apoiar a expansão local de empresas inovadoras oriundas da outra jurisdição", informou o BC. 
No âmbito do acordo de cooperação, os dois bancos centrais orientarão empresas inovadoras, no compartilhamento de informação e experiências e em projetos conjuntos de inovação.
O documento foi assinado no domingo em Basileia, na Suíça, pelo executivo chefe da HKMA, Norman Chan, e o presidente do BC, Ilan Goldfajn.
Em nota, Goldfajn comemorou a parceria com Hong Kong, "um dos principais centros de tecnologia financeira na Ásia", e ressaltou que o BC tem apresentado novas regulamentações sobre o tema, "para promover o desenvolvimento do setor de fintech e reforçar a resiliência da indústria financeira brasileira a ataques cibernéticos".
As fintechs são empresas de tecnologia que atuam no setor financeiro. Em abril, foi editada uma norma que estabeleceu os termos para a sua atuação no mercado de crédito, trazendo os critérios, inclusive, para o financiamento entre pessoas físicas por plataforma eletrônica. Assim, as fintechs podem trabalhar sem estarem vinculadas a uma instituição financeira convencional.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia