Porto Alegre, sábado, 14 de março de 2020.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

mercado financeiro

03/09/2018 - 08h07min. Alterada em 03/09 às 08h07min

Bolsas da Ásia fecham em baixa, pressionados por cautela comercial

As bolsas da Ásia fecharam em território negativo nesta segunda-feira (3). A cautela com os riscos para o comércio global esteve no radar, enquanto em alguns mercados, como no Japão e na Coreia do Sul, houve fraqueza relacionada ao setor de tecnologia. A Bolsa de Xangai fechou em queda de 0,17%, em 2.720,73 pontos. A Bolsa de Shenzhen, de menor abrangência, teve baixa também de 0,17%, a 1.514,78 pontos.
As bolsas da Ásia fecharam em território negativo nesta segunda-feira (3). A cautela com os riscos para o comércio global esteve no radar, enquanto em alguns mercados, como no Japão e na Coreia do Sul, houve fraqueza relacionada ao setor de tecnologia. A Bolsa de Xangai fechou em queda de 0,17%, em 2.720,73 pontos. A Bolsa de Shenzhen, de menor abrangência, teve baixa também de 0,17%, a 1.514,78 pontos.
Os mercados acionários da China chegaram a recuar mais, porém se recuperaram na parte da tarde. A fraqueza do yuan e preocupações com a desaceleração econômica local e com o comércio pesaram. Investidores acompanham as negociações entre EUA e Canadá, com alguns deles acreditando que elas podem ser um prenúncio para o comportamento americano em relação à China, após a ameaça do governo do presidente Donald Trump de tarifar mais US$ 200 bilhões em produtos da potência asiática, o que provavelmente levaria a um retaliação de Pequim. Trump pode levar adiante a ameaça nesta semana.
Na agenda de indicadores, o índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) da indústria da China caiu de 50,8 em julho a 50,6 em agosto, na mínima desde junho de 2017, segundo a IHS Markit e a Caixin Media. No Japão, o PMI da indústria subiu de 52,3 em julho a 52,5 em agosto, em linha com o esperado. Na Bolsa de Tóquio, porém, o índice Nikkei recuou 0,69%, a 22.707,38 pontos. Papéis ligados ao setor de tecnologia estiveram sob pressão.
Sharp teve baixa de 3%, enquanto Renesas recuou 6,4%, em meio a relatos de uma possível aquisição nos EUA. Altas recentes nas taxas de juros pressionaram empresas do setor de construção, com Daito Trust Construction e Mitsui Fudosan em baixa de 4,5% e 2,5%, respectivamente.
Presidente do Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês), Haruhiko Kuroda mostrou otimismo em discurso mais cedo. Segundo ele, os mercados globais se recuperam a níveis vistos antes da crise financeira de 2008. Ao mesmo tempo, Kuroda defendeu constantes avaliações de riscos para resguardar as funções dos mercados de novos choques.
Na Bolsa de Seul, o índice Kospi fechou em baixa de 0,68%, em 2.307,03 pontos, com Samsung em baixa de 2,1% e Hynix, de 2,9%. A siderúrgica Posco teve queda de 2,1%, diante da fraqueza recente dos preços dos metais usados na indústria. Já a fabricante de cimentos Busan teve ganho de 4%.
Em Hong Kong, o índice Hang Seng fechou em queda de 0,63%, em 27.712,54 pontos. Em Taiwan, o Taiex recuou 0,90%, a 10.964,22 pontos, sua queda mais acentuada em quase três semanas. Fornecedora da Apple, Hon Tai teve baixa de 0,5%.
Na Oceania, o índice S&P/ASX 200 fechou em queda de 0,14%, em 6.310,90 pontos, na Bolsa de Sydney, perdendo força no fim do pregão. Companhias ligadas ao setor de cuidados com a saúde se destacaram, mas concessionárias recuaram na praça australiana.