Porto Alegre, sábado, 14 de março de 2020.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

mercado financeiro

28/08/2018 - 10h39min. Alterada em 28/08 às 12h13min

Dólar abre fraco, mas depois se ajusta em alta ante o real

O dólar abriu em baixa nesta terça-feira (28), mas já se ajusta em alta frente o real. O sócio-diretor da Assessoria Via Brasil Durval Correa diz que o investidor local olha os sinais mistos do dólar ante divisas emergentes no exterior, mas pode estar sendo precificado também o déficit nas transações correntes do Brasil em julho, após quatro meses de superávits. No fim da manhã, a cotação do dólar à vista subia 1,32%, a R$ 4,1349.
O dólar abriu em baixa nesta terça-feira (28), mas já se ajusta em alta frente o real. O sócio-diretor da Assessoria Via Brasil Durval Correa diz que o investidor local olha os sinais mistos do dólar ante divisas emergentes no exterior, mas pode estar sendo precificado também o déficit nas transações correntes do Brasil em julho, após quatro meses de superávits. No fim da manhã, a cotação do dólar à vista subia 1,32%, a R$ 4,1349.
Segundo o Banco Central, o Brasil registrou déficit de US$ 4,43 bilhões no mês passado em suas relações com o exterior. Foi o pior resultado para um mês de julho desde 2015, quando houve déficit de US$ 5,69 bilhões. Com o resultado de julho, o déficit em transações correntes acumulado no ano atingiu US$ 8 bilhões.
Esse rombo na conta corrente reflete as transações do Brasil com outros países nas áreas comercial, de serviços (adquiridos por brasileiros no exterior) e rendas (pagamento de juros, remessas de lucros e transferências). De acordo com o BC, boa parte do déficit de julho se deve ao registro de importações de plataformas de petróleo no mês passado, que teve efeito líquido de US$ 2 bilhões no resultado.
Para Ricardo Gomes da Silva, diretor da Correparti, o mercado está cauteloso porque tem lote grande de linha vencendo no inicio de setembro (cerca de US$ 2,5 bilhões), que o BC ainda não sinalizou para renovação. Nesta terça, segundo ele, tem julgamento do deputado Jair Bolsonaro na Primeira Turma do STF, podendo torná-lo réu pela segunda vez. Está no radar também, segundo Silva, a denúncia pelo MP de São Paulo contra o ex-prefeito Fernando Haddad (PT).
Bolsonaro dará entrevista ao Jornal Nacional e são muitas incertezas no foco, e o refúgio do investidor é no dólar, afirma. O diretor lembra ainda que estão em curso também as rolagens de contratos cambiais futuros, que também afetam a precificação, embora a maior influência seja esperada para sexta-feira. A retomada da alta interrompe, por enquanto, duas sessões de perdas ante o real.